sicnot

Perfil

Cultura

Quadro "O Almoço do Trolha" de Júlio Pomar leiloado por 350 mil euros

O quadro "O Almoço do Trolha", obra icónica do movimento neorrealista português, foi hoje vendido em leilão, em Lisboa, por 350 mil euros, disse à agência Lusa fonte da leiloeira Palácio do Correio Velho. 

Júlio Pomar, artista plástico

Júlio Pomar, artista plástico

©Jaime Serôdio/ Sociedade Portuguesa Autores

O quadro foi a leilão com uma base de licitação de 300 mil euros, e havia vários interessados nesta tela, uma das mais importantes de Júlio Pomar, de 89 anos, cujo início da carreira esteve ligado à afirmação do Neorrealismo em Portugal.

"O Almoço do Trolha" ultrapassou o valor recorde de um quadro vendido pelo Palácio do Correio Velho, pertencente a "O Serão", de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), arrematado por 309.255 euros em 2001.

Esta obra é uma das 23 criadas por Júlio Pomar que vão ser leiloadas até quinta-feira, das quais oito originais e 15 obras gráficas provenientes da coleção de Maria José Salvador e Manuel Torres, falecido este ano.

O quadro "O Almoço do Trolha" foi exposto ainda inacabado em 1947, na segunda Exposição Geral de Artes Plásticas da Sociedade Nacional de Belas Artes, enquanto Júlio Pomar, então com 21 anos, se encontrava preso no Forte de Caxias, e só seria terminado em 1950.

Com 150 centímetros por 120, o quadro revela uma cena com uma família pobre, em que um trabalhador da construção civil come um modesto almoço sentado junto à mulher e ao filho.

Depois de o leilão ter sido anunciado, o Palácio do Correio Velho recebeu uma notificação da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) dando conta da abertura de um processo de classificação do quadro. 

O processo aberto pela DGPC pode demorar até um ano a estar concluído, mas, de acordo com a Lei de Bases do Património Cultural, a partir do momento que se encontra em vias de classificação a obra fica legalmente protegida, mas a venda continua a ser possível desde que se mantenha no país.

A leiloeira, fundada em 1989, afirma que é a primeira vez que uma obra de um artista vivo é classificada.

O colecionador Manuel Torres foi, na década de 1950, um dos sócios fundadores da Gravura -- Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, por onde passaram dezenas de artistas, tornando-se, ao longo de meio século, uma das principais divulgadoras da arte moderna em Portugal.

De acordo com a empresa, são apresentados entre hoje e quinta-feira 565 lotes neste Leilão de Antiguidades, Arte Moderna e Contemporânea do Palácio do Correio Velho.

Lusa
  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32