sicnot

Perfil

Cultura

Centro Nacional de Cultura celebra 70 anos esta quarta-feira

O Centro Nacional de Cultura (CNC), que celebra 70 anos na quarta-feira, foi criado por jovens ligados ao teatro e às artes plásticas, tendo sido o berço de projetos como o Grupo Fernando Pessoa e a Casa da Comédia.

cnc.pt

Em declarações à agência Lusa, o presidente do CNC, Guilherme D'Oliveira Martins, explicou que a data será celebrada com uma gala em homenagem a todos os que "deram o melhor de si" ao centro.

O Auditório do Museu do Oriente vai receber, pelas 21:00, um espetáculo com Katia Guerreiro e António Chainho, atuais sócios, além de uma invocação da Casa da Comédia, projeto levado a cabo pelo CNC nos anos 50.

Esta gala também vai prestar homenagem às personalidades associadas ao centro, das origens à atualidade. Gonçalo Ribeiro Teles, arquiteto e "único sócio-fundador vivo", Alberto e Helena Vaz da Silva, Sophia de Mello Breyner e Francisco de Sousa Tavares são os nomes destacados pelo presidente. 

Em retrospetiva, Guilherme D'Oliveira Martins referiu que o CNC nasceu oito dias depois do fim da II Guerra Mundial.

"Era uma boa oportunidade para, perante as novas esperanças que a paz poderia trazer, lançar uma iniciativa de jovens entorno da cultura e do diálogo cultural", confessa o presidente.

Feito por jovens e com uma forte ligação inicial com o teatro e as artes plásticas, o CNC foi o berço de projetos como o Grupo Fernando Pessoa e a Casa da Comédia.

O atual presidente não consegue descurar a figura de Almada Negreiros do apadrinhamento do CNC nas suas origens, o que justificou pela admiração que os jovens da época sentiam pela primeira geração modernista, à qual acrescentou os nomes de Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Amadeo de Souza-Cardoso, nas artes plásticas.

Nos anos 50, o papel do CNC foi ativo na promoção do diálogo entre pensadores, escritores e poetas, função que se tornou mais importante por altura da candidatura de Humberto Delgado, da carta do Bispo do Porto a Salazar, e da criação da Editora Morais e da revista "O Tempo e o Modo".

Gonçalo Ribeiro Teles, único sócio-fundador vivo, trouxe à ribalta temas até então pouco debatidos: a defesa do meio ambiente, o urbanismo e a salvaguarda da qualidade de vida.

Guilherme D'Oliveira Martins caracterizou o CNC como "o exemplo de uma instituição da sociedade civil, quer no apoio aos jovens criadores, quer na preservação do património", mantendo "uma relação de grande independência com o Estado".

Com a liderança de Francisco de Sousa Tavares e Sophia de Mello Breyner, o CNC assume um papel fundamental na "defesa intransigente da liberdade", e acolhe, nos anos 60, a Comissão Nacional de Apoio aos Presos Políticos.

A propósito do 25 de abril de 1974, Guilherme D'Oliveira Martins contou que o então presidente, Francisco de Sousa Tavares, foi o primeiro civil a fazer uma intervenção no Largo do Carmo, o que se pode corroborar por uma fotografia da época, onde o próprio em cima de uma guarita com um megafone.

Depois da revolução, é o historiador José Augusto França quem sobe à presidência e quem "dá ao centro uma componente muito forte ao nível da defesa do património". Helena Vaz da Silva é quem lança "os roteiros e os famosos passeios de domingo".

Ao nível internacional, o CNC coordenou as Jornadas Europeias de Património e é o representante português da Europa Nostra, a primeira rede europeia de defesa e salvaguarda do património, responsável, por exemplo, pelo restauro do Convento de Jesus de Setúbal e dos Carrilhões de Mafra.

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva também foi alvo de destaque por parte do presidente, que o caracterizou como "de grande prestígio. Em outubro, será anunciado o vencedor da terceira edição.

Setenta anos depois, o CNC promete "não baixar os braços, sobretudo a nível internacional", querendo "atrair projetos de qualidade a Portugal", sob o signo da inovação e da criatividade.

Guilherme D'Oliveira Martins acredita que o CNC tem "um papel útil para a defesa e salvaguarda de uma língua de várias culturas, com dimensão e projeção universal, e, simultaneamente, de uma cultura de várias línguas".
  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.