sicnot

Perfil

Cultura

Centro Nacional de Cultura celebra 70 anos esta quarta-feira

O Centro Nacional de Cultura (CNC), que celebra 70 anos na quarta-feira, foi criado por jovens ligados ao teatro e às artes plásticas, tendo sido o berço de projetos como o Grupo Fernando Pessoa e a Casa da Comédia.

cnc.pt

Em declarações à agência Lusa, o presidente do CNC, Guilherme D'Oliveira Martins, explicou que a data será celebrada com uma gala em homenagem a todos os que "deram o melhor de si" ao centro.

O Auditório do Museu do Oriente vai receber, pelas 21:00, um espetáculo com Katia Guerreiro e António Chainho, atuais sócios, além de uma invocação da Casa da Comédia, projeto levado a cabo pelo CNC nos anos 50.

Esta gala também vai prestar homenagem às personalidades associadas ao centro, das origens à atualidade. Gonçalo Ribeiro Teles, arquiteto e "único sócio-fundador vivo", Alberto e Helena Vaz da Silva, Sophia de Mello Breyner e Francisco de Sousa Tavares são os nomes destacados pelo presidente. 

Em retrospetiva, Guilherme D'Oliveira Martins referiu que o CNC nasceu oito dias depois do fim da II Guerra Mundial.

"Era uma boa oportunidade para, perante as novas esperanças que a paz poderia trazer, lançar uma iniciativa de jovens entorno da cultura e do diálogo cultural", confessa o presidente.

Feito por jovens e com uma forte ligação inicial com o teatro e as artes plásticas, o CNC foi o berço de projetos como o Grupo Fernando Pessoa e a Casa da Comédia.

O atual presidente não consegue descurar a figura de Almada Negreiros do apadrinhamento do CNC nas suas origens, o que justificou pela admiração que os jovens da época sentiam pela primeira geração modernista, à qual acrescentou os nomes de Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro e Amadeo de Souza-Cardoso, nas artes plásticas.

Nos anos 50, o papel do CNC foi ativo na promoção do diálogo entre pensadores, escritores e poetas, função que se tornou mais importante por altura da candidatura de Humberto Delgado, da carta do Bispo do Porto a Salazar, e da criação da Editora Morais e da revista "O Tempo e o Modo".

Gonçalo Ribeiro Teles, único sócio-fundador vivo, trouxe à ribalta temas até então pouco debatidos: a defesa do meio ambiente, o urbanismo e a salvaguarda da qualidade de vida.

Guilherme D'Oliveira Martins caracterizou o CNC como "o exemplo de uma instituição da sociedade civil, quer no apoio aos jovens criadores, quer na preservação do património", mantendo "uma relação de grande independência com o Estado".

Com a liderança de Francisco de Sousa Tavares e Sophia de Mello Breyner, o CNC assume um papel fundamental na "defesa intransigente da liberdade", e acolhe, nos anos 60, a Comissão Nacional de Apoio aos Presos Políticos.

A propósito do 25 de abril de 1974, Guilherme D'Oliveira Martins contou que o então presidente, Francisco de Sousa Tavares, foi o primeiro civil a fazer uma intervenção no Largo do Carmo, o que se pode corroborar por uma fotografia da época, onde o próprio em cima de uma guarita com um megafone.

Depois da revolução, é o historiador José Augusto França quem sobe à presidência e quem "dá ao centro uma componente muito forte ao nível da defesa do património". Helena Vaz da Silva é quem lança "os roteiros e os famosos passeios de domingo".

Ao nível internacional, o CNC coordenou as Jornadas Europeias de Património e é o representante português da Europa Nostra, a primeira rede europeia de defesa e salvaguarda do património, responsável, por exemplo, pelo restauro do Convento de Jesus de Setúbal e dos Carrilhões de Mafra.

O Prémio Europeu Helena Vaz da Silva também foi alvo de destaque por parte do presidente, que o caracterizou como "de grande prestígio. Em outubro, será anunciado o vencedor da terceira edição.

Setenta anos depois, o CNC promete "não baixar os braços, sobretudo a nível internacional", querendo "atrair projetos de qualidade a Portugal", sob o signo da inovação e da criatividade.

Guilherme D'Oliveira Martins acredita que o CNC tem "um papel útil para a defesa e salvaguarda de uma língua de várias culturas, com dimensão e projeção universal, e, simultaneamente, de uma cultura de várias línguas".
  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.