sicnot

Perfil

Cultura

Cascais recebe primeiro Festival Internacional de Cultura de 3 a 12 de julho

António Lobo Antunes, entrevistado pelo irmão João Lobo Antunes, e o escritor israelita David Grossman, à conversa com Clara Ferreira Alves, vão marcar o Festival Internacional de Cultura, em Cascais, entre 03 e 12 de julho.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

O Festival Internacional da Cultura (FIC), que foi hoje apresentado, vai decorrer pela primeira vez em Cascais e vai incluir atividades ligadas à Literatura, Música e Teatro, ao longo de dez dias.

A escritora Lídia Jorge, curadora do Festival, destacou como "grandes momentos" a conversa entre os irmãos António e João Lobo Antunes, marcada para 04 de julho, no Museu Paula Rego, a entrevista da jornalista Clara Ferreira Alves ao escritor israelita David Grossman, no dia 05 de julho, e o diálogo entre a escritora Maria Teresa Horta e o jornalista José Fialho Gouveia, a 06 de julho.

"Penso que vão ser daqueles grandes momentos, inéditos, que os amantes da Cultura não vão querer perder", disse a curadora.

Para Lídia Jorge, o Festival tem por objetivo mostrar que "o livro é o elemento estrutural e é o objeto que constitui o pilar fundamental de todas as artes".

A presença do escritor israelita insere-se no âmbito dos 50 anos das Publicações D.Quixote, efeméride a propósito da qual será também interpretada, pela Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras, a 'suite' "D.Quixote", de Georg Philipp Telemann, e os atores e alunos do Teatro Experimental de Cascais apresentarão uma leitura encenada de "D.Quixote de la Mancha", de Cervantes.

Atividades em família, percursos temáticos, artes plásticas e de outras disciplinas, debates sobre literatura e atualidade, exposições, noites de poesia e espetáculos de teatro e de música estão incluídos na programação do FIC, que vai incluir ainda uma Feira do Livro.

Com entrada gratuita, do programa consta ainda um debate sobre "A Europa no seu labirinto - A crise ética e a ética da crise", entre Jaime Nogueira Pinto e Francisco Louçã, com moderação de Maria João Avillez.

"Rimos de quê? - O Humor e a Literatura" é o mote de discussão entre Rita Ferro, Maria Rueff e Nuno Artur Silva, moderado por Francisco José Viegas, a 09 de julho.

Os escritores Mia Couto, José Eduardo Agualusa e Lídia Jorge vão, a 10 de julho, falar sobre "África na Literatura Lusófona", num debate moderado por Laurinda Alves.

A relação Cinema e a Literatura vai chamar à discussão os realizadores João Botelho e Margarida Cardoso e a atriz Inês de Medeiros (que também dirigiu ficção e um documentário), num encontro moderado por Mário Augusto, a 11 de julho.

Na vez da Música, João Afonso, Ana Bacalhau e Capicua vão falar sobre "Sons da Mudança - a música na definição da identidade", a 12 de julho.

Organizado pela Câmara de Cascais e pelo grupo LeYa, o evento quer chegar a diferentes públicos e deverá repetir-se nos próximos anos.

"Esperamos que seja muito atraente para diferentes públicos. Há uma preocupação de fazer diferentes atividades para chegar a todas as pessoas", disse o administrador da LeYa Tiago Morais Sarmento.

O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, considerou que "estão reunidos todos os ingredientes necessários e suficientes para uma iniciativa que se possa repetir nos anos seguintes".

Lusa
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.