sicnot

Perfil

Cultura

Orquestra Metropolitana de Lisboa comemora 23 anos com repertório romântico no CCB

A Orquestra Metropolitana de Lisboa sobe ao palco do Centro Cultural de Belém, no dia 14 de junho, às 16:00, para um concerto de comemoração do 23.º aniversário, divulgou hoje a instituição. 

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

Centro Cultural de Belém. (Lusa/Arquivo)

© Desmond Boylan / Reuters

O maestro alemão Michael Zlim e a orquestra profissional apresentam, no Grande Auditório do CCB, três partituras do repertório romântico, dos compositores alemães Felix Mendelssohn (1809-1847) e Johannes Brahms (1833-1897). 

Na mesma noite, a Metropolitana convida ainda o jovem compositor português Edward Ayres de Abreu a estrear, neste concerto do CCB, a peça "Sinfonietta", obra orquestral em quatro andamentos, encomendada pela Metropolitana.  

Do compositor Felix Mendelssohn, a orquestra interpreta "As Hébridas, Op. 26", uma abertura de concerto também conhecida como "A Gruta de Fingal", de 1832, e "Sinfonia n.º 3 em Lá Menor, Op.56", de 1852, obras "com inspiração em paisagens escocesas", refere o comunicado do CCB. 

O Duplo Concerto para Violino, Violoncelo e Orquestra em Lá Menor, Op. 102, concluído em 1897, foi a última obra para orquestra de Johannes Brahms, que terá, nesta interpretação, os solistas Ana Pereira, no violino, e Marco Pereira, no violoncelo.

A violinista Ana Pereira faz parte, desde 2008, da Orquestra Metropolitana de Lisboa, formação em que ocupa, desde outubro desse ano, o lugar de concertino adjunto. O irmão, o violoncelista Marco Pereira, foi primeiro violoncelo da Metropolitana de 2009 a 2912, sendo atualmente violoncelista da Orquestra Gulbenkian.  







Lusa
  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20