sicnot

Perfil

Cultura

"Pai" da Playmobil morreu aos 81 anos

Horst Brandstaetter, dono e diretor da empresa de brinquedos alemã Playmobil, produtora das pequenas peças plásticas adoradas pelas crianças, morreu com 81 anos, anunciou hoje a empresa.   

© Michaela Rehle / Reuters

"[A morte de] Horst Brandstaetter significa para a família Playmobil não só a perda do seu chefe, patriarca e dono da empresa, e para todo o setor de brinquedos da Alemanha é uma das suas mais ilustres personalidades", refere em comunicado a empresa.

Horst Brandstaetter morreu na passada quarta-feira, acrescenta a nota de imprensa, sem especificar as causas.

Conhecido como "Herr Playmobil" -- Senhor Playmobil -, ou simplesmente "HOB" para os colegas, Brandstaetter entrou para a empresa com 19 anos, quando esta era dirigida por dois tios.  

Cedo reconheceu que o futuro da indústria dos brinquedos dependeria mais de produtos plásticos do que de metal e, por isso, lançou a restruturação das fábricas.

Em 1958 lançou o 'hula hoop' -- arco de rodar à cintura -, que se tornou num êxito mundial.

No entanto, a crise do petróleo da década de 1970 encareceu os custos de manufatura dos produtos plásticos, levando a que o designer de moldes da empresa, Hans Beck, surgisse com a ideia dos figurinos mais pequenos, de 7,5 centímetros, necessitando estes de quantidades mínimas de matéria-prima.

Sob a liderança de Horst Brandstaetter, a companhia, sediada em Zindorf, no sul da Baviera, desenvolveu apenas três brinquedos, um cavaleiro, um trabalhador e um nativo americano. 

Mas, atualmente, as figuras produzidas vão desde polícias a piratas, passando pelas fadas e palhaços.

A Playmobil assinalou o seu 40.º aniversário em 2014, tendo atingido os 595 milhões de euros de vendas em todo o mundo, lê-se ainda no documento.  

 Horst Brandstaetter determinou o caminho para a sua sucessão ao estabelecer, em meados de 1990, uma fundação para gerir a empresa "de acordo com os seus desejos" após a sua morte, lê-se ainda na nota de imprensa.

Lusa
  • Google Maps esconde mansão de Puigdemont na Bélgica

    Mundo

    Depois de fugir de Espanha, Carles Puigdemont refugiou-se na Bélgica para evitar uma possível extradição. O refúgio que encontrou foi uma mansão no município de Waterloo, por 4.400 euros ao mês. Agora, a pedido do ex-presidente do Governo da Catalunha, essa mesma mansão foi "apagada" do Google Maps.

    SIC

  • 50 empresas estão a recrutar na Universidade Católica
    1:46

    Economia

    A Universidade Católica de Lisboa reuniu 50 empresas nacionais e internacionais numa feira de emprego esta terça-feira e amanhã. As empresas procuram novos candidatos para os lugares que têm disponíveis nos departamentos de Economia, Finanças e Gestão.