sicnot

Perfil

Cultura

Trabalhadores de diferentes setores culturais desfilam em Lisboa em protesto

Cerca de 300 trabalhadores ligados a vários setores culturais, da arqueologia ao circo, desfilaram hoje em Lisboa, da praça Camões ao cais das Colunas, na praça do Comércio, exigindo a dotação de 1% do PIB para a Cultura.

Tiago Petinga

A marcha, que contou com a participação de cerca 58 entidades e associações do setor, como o Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia, da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e dos Defensores do Circo Tradicional, foi organizada pela Plataforma pela Cultura, liderada por Pedro Penilo.

Em declarações à Lusa, Pedro Penilo realçou que esta "é a primeira vez que existe uma ação de rua, pública, de afirmação da cultura", e sublinhou o "entusiasmo" dos cerca de "300 participantes".

Os manifestantes empunhavam faixas e cartazes com palavras de ordem onde se lia "Cultura produz um valor que não tem preço", "1% do PIB [Produto Interno Bruto] para Cultura", e outros em que se exigia uma mudança política para as artes, se criticava a situação económica, e ainda em defesa do circo tradicional com animais.

Pedro Penilo, referindo-se à marcha, disse que esta representava "uma unidade em torno de um programa político alternativo" à atual política.

Entre as entidades representadas no protesto estavam também a REDE - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, o Teatro Extremo, e a CGTP-IN.

Fábio Pedro, da associação "Circus Fans", disse à Lusa que a atividade circense "é discriminada em Portugal, desde o 25 de Abril [de 1974]", apesar de "pagar todos os impostos" e de se registar um crescimento de espetadores.

"Há uma nova geração que gosta de circo e que o quer promover e praticar, na sua forma tradicional com animais", afirmou.

Fábio Pedro criticou a portaria de 2009, que proíbe a participação dos animais em pistas, tendo afirmado que "havia uma má informação sobre a forma como são tratados".

"Os animais de circo são tratados como os nossos animais de estimação", acrescentando que, muitos, "na velhice, acompanham os seus treinadores até morrer".

O ativista realçou que a União Europeia considerou, em 2005, o circo "com os seus animais" um "bem cultural essencial".

No cais das Colunas, além de uma 'performance' que encerrou a marcha, a organização leu o comunicado da Plataforma, já subscrito por 58 entidades, destacando a organização, em declarações à Lusa, que "há outras interessadas em o assinar".

Esta ação insere-se na campanha "Dias da Cultura em Luta", que decorrerá ao longo de junho, com iniciativas em diversas cidades - como espetáculos, intervenções públicas, desfiles e debates -, como Coimbra, Almada e Évora, além de Lisboa, disse Penilo.

No manifesto "Dias da Cultura em Luta - Por outra política para a cultura", os subscritores responsabilizam os sucessivos governos pela "situação de prolongada crise da atividade cultural e do tecido social que a dinamiza".

Segundo o documento, por detrás da atual crise económico-social estão políticas de "desprezo pelo papel vital da cultura", de "grosseiro subfinanciamento e desorganização das funções culturais do Estado", de "mercantilização e privatização de bens e funções públicas" e de "ataque à dignidade do trabalho cultural e artístico".

"Perante este quadro, e em ano de eleições legislativas, as forças da cultura em luta devem dar um sinal forte e claro a favor de outra política para a cultura: pelo direito constitucional à cultura e das obrigações do Estado que ele implica", lê-se no manifesto, reiterando a exigência de 1% do PIB para a cultura.

Entre os subscritores e envolvidos na campanha estão Associação das Coletividades Concelho Lisboa (ACCL), a Associação Portuguesa Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD), a Associação Portuguesa de Realizadores (APR), a Federação Nacional dos Professores (FENPROF) e o Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual (CENA), entre outros.

Lusa
  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.