sicnot

Perfil

Cultura

Dinossauros de volta ao grande ecrã

Cartaz Cinema

Dinossauros de volta ao grande ecrã

O cinema americano produziu mais uma sequela de “Parque Jurássico”: chama-se “Mundo Jurássico” e tem assinatura de Colin Trevorrow. João Lopes comenta os principais lançamentos da semana, incluindo o documentário “O Olhar do Silêncio”, de Joshua Oppenheimer, sobre os assassinatos em massa cometidos na Indonésia, em meados da década de 1960.

Agora, o nome de Steven Spielberg surge apenas como produtor executivo: “Mundo Jurássico” é o quarto capítulo da saga dos modernos dinossauros. Desta vez, os gestores do parque de diversões criaram, por manipulação genética, um “descendente” dos gigantes primitivos... E acontece que o novo ser não é muito pacífico...

“Enquanto Somos Jovens” é mais uma proposta do americano Noah Baumbach (argumentista e realizador), ainda e sempre apostado em encenar as diferenças geracionais e a crença nos ideais românticos. Desta vez, o par central é interpretado por Ben Stiller e Naomi Watts.

Conhecemos Olivier Dahan como retratista de Edith Piaf (“La Vie en Rose”) e Grace Kelly (“Grace de Monaco”). Agora, com “Uma Equipa de Sonho”, ele propõe algo bem diferente: um retrato, em tom de comédia, das atribulações de uma pequena equipa de futebol.

Na área documental, estreia-se um dos grandes acontecimentos dos últimos anos: “O Olhar do Silêncio”, de Joshua Oppenheimer, recorda as perseguições anti-comunistas e os massacres perpetrados na Indonésia, em meados dos anos 60 — o filme retoma os temas (e algumas personagens) do trabalho anterior de Oppenheimer, “O Acto de Matar” (2012).

Entretanto, a curta-metragem portuguesa, “Manhã de Santo António”, de João Pedro Rodrigues, uma visão poética dos namorados de Santo António, chega também às salas — surge como complemento de “Mekong Hotel”, do tailandês Apichatpong Weerasethakul.

No domínio do DVD, a principal novidade diz respeito também ao cinema português: já estão disponíveis as edições de “Os Verdes Anos” (1963) e “Mudar de Vida” (1966), dois clássicos de Paulo Rocha que pertencem à época de afirmação do Cinema Novo — as cópias foram restauradas pela Cinemateca Portuguesa.

* Banda sonora: “A River Runs Through It” (1992), de Robert Redford

> “Haunted by Waters”, Mark Isham

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC