sicnot

Perfil

Cultura

Chineses da Fosun compram 25% do Cirque du Soleil

Um dos maiores investidores chineses em Portugal, o grupo Fosun, acrescentou esta segunda-feira mais uma conhecida marca global à sua carteira, o Cirque du Soleil. 

O Cirque du Soleil, fundado há 31 anos, já atuou em mais de 300 cidades de 50 países, e ao longo da história, atraiu cerca de 150 milhões de espetadores. (Arquivo)

O Cirque du Soleil, fundado há 31 anos, já atuou em mais de 300 cidades de 50 países, e ao longo da história, atraiu cerca de 150 milhões de espetadores. (Arquivo)

© Luke MacGregor / Reuters

O presidente do Grupo Fosun, Guo Guangchang, descreveu a aquisição de 25% da daquela companhia canadiana como "um marco" do desenvolvimento do grupo no domínio do entretenimento cultural".

Considerado um dos mais lucrativos consórcios privados chineses, o Fosun já é também proprietário do Club Méditerranée e este ano comprou uma participação na agência de viagens britânica Thomas Cook.

Estas aquisições ilustram, segundo Guo Guangchang, o empenho do Grupo Fosun em criar "uma indústria que proporcione um estilo de vida mais feliz", nomeadamente à emergente classe média chinesa.

O Cirque du Soleil, fundado há 31 anos, já atuou em mais de 300 cidades de 50 países, e ao longo da história, atraiu cerca de 150 milhões de espetadores, salientou o presidente da companhia, Daniel Lamarre, ao assinar hoje uma "parceria estratégica" com o grupo Fosun.

"A China era a peça que faltava ao Cirque du Soleil", disse Lamarre.

O Grupo Fosun é um dos candidatos à compra do Novo Banco, o que a concretizar-se será o seu terceiro grande investimento em Portugal.

Aquele consórcio chines já detém cerca de 85% da companhia de seguros Fidelidade e comprou também a empresa Luz-Saúde.
Lusa
  • Carlos Costa diz que são sete os candidatos à compra do Novo Banco
    0:51

    Economia

    O governador do Banco de Portugal diz que são sete os candidatos que estão na corrida à compra do Novo Banco. Carlos Costa não divulgou os nomes, mas já se conhecem, pelo menos quatro: o Santander, o BPI, os chineses da Fosun e o fundo americano Apollo. No Parlamento, onde está a ser ouvido, afirmou que o Banco de Portugal está a analisar as propostas apresentadas para decidir quem passa à fase seguinte do negócio.

  • Cirque du Soleil de novo em Portugal
    3:31

    Cartaz

    O Cirque du Soleil apresenta pela primeira vez, em Portugal, "Dralion". A companhia, que reúne artistas de várias nacionalidades, apresenta-se no MEO Arena em Lisboa, a partir desta quarta-feira, 1 de janeiro. A SIC assistiu ao espetáculo, em Barcelona, em Espanha.

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.