sicnot

Perfil

Cultura

Novo álbum de Mariza "Mundo" é editado "depois do verão"

A fadista Mariza vai editar o novo álbum, "Mundo", "depois do verão", do qual fará as primeiras apresentações em novembro, no Coliseu do Porto, divulgou hoje a promotora espanhola Syntorama.

© Juan Medina / Reuters

Segundo a mesma fonte, a intérprete, distinguida com vários prémios internacionais, apresenta o novo álbum nos dias 26 e 27 de novembro, no Coliseu do Porto, e no dia 07 de dezembro, na Meo Arena, em Lisboa.

"Mundo" marca "o esperado regresso da mais internacional das artistas portuguesas" ao mercado discográfico, cinco anos depois do álbum de originais "Fado tradicional", afirma a Syntorama.

A criadora de "Ó gente da minha terra" (Amália Rodrigues/Tiago Machado) publicou, entretanto, o duplo álbum "Best of", no qual incluiu a recriação de "É ou não é" (Alberto Janes), do repertório de Amália Rodrigues, e de "Smile" (Charles Chaplin), de Nat King Cole, e gravou o inédito "O tempo não pára", de Miguel Gameiro.

Do "Best of" fazem parte temas criados por Mariza como "Há uma música do povo", "Recusa", "Feira de castro" e "Há palavras que nos beijam", a par de temas do repertório "amaliano", entre os quais "Maria Lisboa", "Primavera", "Medo" e "Oiça lá, ó senhor vinho", e inclui ainda "Menino do bairro negro", de José Afonso, que Mariza gravou no seu CD de estreia, "Fado em mim", e os fados "Loucura" e "Promete jura".

Este é o sexto álbum de estúdio da criadora de "Caravelas" (Florbela Espanca/Tiago Machado), que, desde o início da carreira, já vendeu mais de um milhão de discos, em 35 países, segundo dados da mesma fonte.

Até à apresentação do novo álbum ao vivo, a fadista tem uma agenda de espetáculos que inclui Vila Nova de Gaia, no próximo dia 23, Paris, no dia 26, Rudolstadt, na Alemanha, no dia 04 de julho, seguindo-se Estugarda e Friburgo. No dia 29 de julho regressa a Portugal, para atuar em Cantanhede.







Lusa
  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.