sicnot

Perfil

Cultura

Companhia Nacional de Bailado estreia nova produção de "O Pássaro de Fogo"

A Companhia Nacional de Bailado (CNB) estreia hoje, às 21:00, no Teatro Camões, em Lisboa, uma nova produção de "O Pássaro de Fogo", com coreografia de Fernando Duarte, dramaturgia e encenação de Carlos Pimenta, e cenografia 'videomapping'.

cnb.pt

cnb.pt

De acordo com a companhia nacional, a peça coreográfica, que ficará em palco até 28 de junho, tem figurinos assinados por José António Tenente, cenografia e 'videomapping' de Nuno Maya, numa cenografia imersiva, a 270 graus em volta do público. 

A interpretação musical da obra escrita por Igor Stravinsky estará a cargo da Orquestra Sinfónica Portuguesa, sob a direção da maestrina Joana Carneiro.

De acordo com a CNB, para criar esta nova produção de um clássico da história da dança do século XX, foi convidada uma equipa de criativos de diversas áreas, "para uma intensa colaboração artística a partir das suas diferentes experiências, resultando, com exceção da música, numa total nova produção".

A coreografia, inspirada neste clássico da história da dança do século XX, é do mestre de bailado da CNB, Fernando Duarte, que, depois de "O Lago dos Cisnes" e "Quebra Nozes, Quebra Nozes", concebe pela primeira vez uma peça a partir de uma partitura de Stravinski.

"O Pássaro de Fogo" (1910) é inspirado num conto popular russo reescrito por Michel Fokine e composto musicalmente por Stravinski, recorrendo a um imaginário fantástico, com cenários de fantasia, com pessoas e criaturas mágicas, numa luta entre o bem e o mal.

Estreado a 26 de junho de 1910, no Teatro Nacional da Ópera de Paris, pelos Ballets Russes de Serge Diaghilev, a peça teve coreografia de Michel Fokine a partir de um libreto construído em conjunto com Igor Stravinsky. 

Lusa
  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas.