sicnot

Perfil

Cultura

Agustina Bessa-Luís recebe Prémio Eduardo Lourenço no dia 3 de julho

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, anunciou hoje que o Prémio Eduardo Lourenço 2015 será entregue no dia 3 de julho, naquela cidade, à escritora Agustina Bessa-Luís.

AP

O autarca referiu, durante o período de antes da ordem do dia da reunião quinzenal do executivo que lidera, que o galardão vai ser entregue no decorrer de uma cerimónia a realizar pelas 15:00 daquele dia, na Sala António de Almeida Santos, no edifício dos Paços do Concelho, com a presença do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

A escritora Agustina Bessa-Luís é a vencedora da 11.ª edição do prémio Eduardo Lourenço, no valor de 7.500 euros, atribuído pelo Centro de Estudos Ibéricos (CEI), com sede na Guarda.

Álvaro Amaro referiu que durante a cerimónia terá oportunidade de poder falar sobre o prémio que tem sido de uma "enorme importância" para a afirmação da Guarda "como uma cidade da cultura".

O prémio destina-se a galardoar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito da cooperação e da cultura ibérica.

No dia do anúncio do vencedor da edição de 2015, a 24 de abril, João Gabriel Silva, reitor da Universidade de Coimbra e porta-voz do júri, considerou que a escritora Agustina Bessa-Luís é "um dos expoentes máximos da Literatura Portuguesa" do século XX.

"Deu à Literatura Portuguesa uma latitude, enfim, notável, que todos reconhecem, criou um imaginário simbólico próprio. Não é por acaso que é uma das autoras mais estudadas até no ensino básico e secundário, porque, de facto, é uma referência da Língua Portuguesa", acrescentou.

João Gabriel Silva disse ainda que a galardoada também é "um dos autores portugueses mais conhecidos em Espanha".

O Prémio Eduardo Lourenço teve a sua primeira edição em 2004 e já distinguiu várias personalidades de relevo de Portugal e de Espanha.

As anteriores edições contemplaram Maria Helena da Rocha Pereira (professora Catedrática de Cultura Greco-Latina, Agustín Remesal (jornalista), Maria João Pires (pianista), Ángel Campos Pámpano (poeta), Jorge Figueiredo Dias (professor Catedrático de Direito Penal), os escritores César António Molina e Mia Couto, José María Martín Patino (teólogo), Jerónimo Pizarro (professor e investigador) e Antonio Sáez Delgado (professor e investigador).

O CEI é uma associação transfronteiriça sem fins lucrativos, que nasceu de um desafio lançado pelo ensaísta Eduardo Lourenço na sessão solene comemorativa do Oitavo Centenário do Foral da Guarda, em 1999.

Foi criado em resultado de uma parceria que envolveu a Câmara Municipal da Guarda e as Universidades de Coimbra e de Salamanca e, mais tarde, o Instituto Politécnico local.

Lusa
  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC