sicnot

Perfil

Cultura

Apple cede a Taylor Swift e vai pagar aos artistas

A Apple decidiu pagar direitos de autor aos artistas durante o período de ensaio do seu novo site de música em streaming. Uma decisão que surge na sequência do anúncio da pop star Taylor Swift de que iria boicotar este novo serviço por ser lesivo dos seus interesses financeiros.

© Mario Anzuoni / Reuters

A Apple vai oferecer aos seus utilizadores o serviço de música Apple Music durante o período experimental de três meses, que começará a 30 de junho. Não pretendia, no entanto, pagar os direitos de autor aos artistas autores dessas músicas. 

Taylor Swift insurgiu-se e publicou domingo na Internet uma  declaração dizendo que iria boicotar o novo serviço, retirando o seu novo álbum "1989", afirmando sentir-se "chocada e decepcionada" com a Apple.

Algumas horas depois, o vice-presidente da Apple Eddy Cue anunciou no Twitter a alteração da política de pagamento aos artistas.

"We hear you @taylorswift13 and indie artists. Love, Apple," Cue tweeted. [Ouvimos-te @taylorswift13 e artistas independentes. Cumprimentos, Apple].

"A Apple Music vai pagar aos artistas pelo [serviço de] streaming mesmo durante o período experimental gratuito", para os utilizadores, afirmou o responsável.

Este novo serviço quer vir a ser o "número um" da música online, competindo com os atuais Spotify, YouTube, Deezer e Pandora.


  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.