sicnot

Perfil

Cultura

Carlos do Carmo vai receber a mais alta distinção de Paris

O fadista Carlos do Carmo vai receber a "Grande Médaille de Vermeil" da cidade de Paris, "a mais alta distinção em termos de medalhas da Câmara", disse à Lusa Hermano Sanches Ruivo, vereador da Câmara de Paris.

Carlos Manuel de Ascenção do Carmo de Almeida, mais conhecido como Carlos do Carmo, nasceu em Lisboa, em 1939.

Carlos Manuel de Ascenção do Carmo de Almeida, mais conhecido como Carlos do Carmo, nasceu em Lisboa, em 1939.

Chris Pizzello

A condecoração vai ser atribuída numa cerimónia na próxima sexta-feira, no Hôtel de Ville de Paris, horas antes do início do festival de música lusófona FOLISBOA, que decorre de 26 a 28 de junho na capital francesa e no qual Carlos do Carmo vai atuar no último dia.

"É a mais alta distinção em termos de medalhas da Câmara [Municipal de Paris]. O Carlos do Carmo é, de facto, um parisiense. Para ele a cidade do coração é Lisboa - não fosse ele essa imagem, essa voz e esse rosto de Lisboa - mas ele admite que Paris é a segunda cidade, a cidade de dezenas de viagens e de centenas de encontros. Ele tem realmente um amor a esta cidade. Eu penso que ele conhece melhor Paris do que muitos de nós que vivemos cá", explicou Hermano Sanches Ruivo. 

Contactado pela Lusa, por telefone, Carlos do Carmo disse ter recebido a notícia com "muita felicidade e muita surpresa", lembrando que já vai a Paris desde 1967 e que a cidade se tornou "indispensável" como uma "respiração".

"A minha mulher e eu adoramos Paris. Lisboa é a nossa cidade, obviamente, é a cidade do coração, é a minha cidade que eu canto a vida inteira. Mas, curiosamente, a cidade que nós mais gostamos fora de Portugal é Paris. É uma sensação maravilhosa", afirmou.

Hermano Sanches Ruivo sublinhou que "Paris é uma cidade também do fado" graças aos portugueses que trouxeram esta música "nas malas", lembrando que a Câmara de Paris apoiou a candidatura do Fado a Património Imaterial da UNESCO e que "o fado está a ser descoberto ou redescoberto em França".

"Bastam os 50 anos [de carreira], basta esse novo concerto aqui em Paris e basta essa ligação ao fado do qual ele é, sem dúvida nenhuma, um dos rostos, uma das vozes, uma das almas. Fica bem a uma cidade de cultura, a uma cidade internacional que abrigou - por várias razões e há muito tempo - esses portugueses, fazer do Carlos do Carmo, um dos cidadãos [de Paris]", justificou o vereador franco-português, quando questionado sobre as razões da atribuição do galardão ao fadista.

Para a coordenadora geral e artística do festival FOLISBOA, Chloé Siganos, "é uma honra não só o facto de França condecorar Carlos do Carmo mas também o facto de honrar toda a cultura portuguesa e lusófona por este meio".

A "Grande Médaille de Vermeil" já foi atribuída ao cineasta português Manoel de Oliveira, em 2001, à cantora Mísia, em 2004, e a Mário Soares, em 2013. 

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, vai estar presente na cerimónia de atribuição da medalha ao fadista.

Lusa
  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.