sicnot

Perfil

Cultura

Carlos do Carmo vai receber a mais alta distinção de Paris

O fadista Carlos do Carmo vai receber a "Grande Médaille de Vermeil" da cidade de Paris, "a mais alta distinção em termos de medalhas da Câmara", disse à Lusa Hermano Sanches Ruivo, vereador da Câmara de Paris.

Carlos Manuel de Ascenção do Carmo de Almeida, mais conhecido como Carlos do Carmo, nasceu em Lisboa, em 1939.

Carlos Manuel de Ascenção do Carmo de Almeida, mais conhecido como Carlos do Carmo, nasceu em Lisboa, em 1939.

Chris Pizzello

A condecoração vai ser atribuída numa cerimónia na próxima sexta-feira, no Hôtel de Ville de Paris, horas antes do início do festival de música lusófona FOLISBOA, que decorre de 26 a 28 de junho na capital francesa e no qual Carlos do Carmo vai atuar no último dia.

"É a mais alta distinção em termos de medalhas da Câmara [Municipal de Paris]. O Carlos do Carmo é, de facto, um parisiense. Para ele a cidade do coração é Lisboa - não fosse ele essa imagem, essa voz e esse rosto de Lisboa - mas ele admite que Paris é a segunda cidade, a cidade de dezenas de viagens e de centenas de encontros. Ele tem realmente um amor a esta cidade. Eu penso que ele conhece melhor Paris do que muitos de nós que vivemos cá", explicou Hermano Sanches Ruivo. 

Contactado pela Lusa, por telefone, Carlos do Carmo disse ter recebido a notícia com "muita felicidade e muita surpresa", lembrando que já vai a Paris desde 1967 e que a cidade se tornou "indispensável" como uma "respiração".

"A minha mulher e eu adoramos Paris. Lisboa é a nossa cidade, obviamente, é a cidade do coração, é a minha cidade que eu canto a vida inteira. Mas, curiosamente, a cidade que nós mais gostamos fora de Portugal é Paris. É uma sensação maravilhosa", afirmou.

Hermano Sanches Ruivo sublinhou que "Paris é uma cidade também do fado" graças aos portugueses que trouxeram esta música "nas malas", lembrando que a Câmara de Paris apoiou a candidatura do Fado a Património Imaterial da UNESCO e que "o fado está a ser descoberto ou redescoberto em França".

"Bastam os 50 anos [de carreira], basta esse novo concerto aqui em Paris e basta essa ligação ao fado do qual ele é, sem dúvida nenhuma, um dos rostos, uma das vozes, uma das almas. Fica bem a uma cidade de cultura, a uma cidade internacional que abrigou - por várias razões e há muito tempo - esses portugueses, fazer do Carlos do Carmo, um dos cidadãos [de Paris]", justificou o vereador franco-português, quando questionado sobre as razões da atribuição do galardão ao fadista.

Para a coordenadora geral e artística do festival FOLISBOA, Chloé Siganos, "é uma honra não só o facto de França condecorar Carlos do Carmo mas também o facto de honrar toda a cultura portuguesa e lusófona por este meio".

A "Grande Médaille de Vermeil" já foi atribuída ao cineasta português Manoel de Oliveira, em 2001, à cantora Mísia, em 2004, e a Mário Soares, em 2013. 

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, vai estar presente na cerimónia de atribuição da medalha ao fadista.

Lusa
  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".