sicnot

Perfil

Cultura

Morreu a atriz Laura Antonelli, "sex symbol" do cinema italiano

1941-2015

A atriz Laura Antonelli, um dos "sex symbols" do cinema italiano da década de 1970, foi hoje encontrada morta, aos 73 anos, em casa, no município romano de Ladispoli, noticiaram media italianos. 

O corpo da atriz foi encontrado ao início da manhã pela assistente, que chamou os serviços de emergência médica. 

Nascida a 28 de novembro de 1941 em Pola (sul), Laura Antonelli foi professora de educação física até ser descoberta, em 1969, por um produtor de fotonovelas que a lançou no mundo do cinema. 

A fama aconteceu em 1973 com a longa-metragem "Malizia" ("Malícia") realizada por Salvatore Samperi, onde surgia como uma mulher provocadora e muito sensual, uma imagem que transformou Laura Antonelli num símbolo sexual para os italianos da época. 

Seguiram-se em 1973 "Sessomatto" ("Sexo Louco") de Dino Risi, em 1976 "El Inocente" ("O Intruso") de Luchino Visconti ou em 1981 "Passione d'amore" ("Fosca, Paixão de Amor") de Ettore Scola. 

Uma depressão manteve Laura Antonelli afastada do grande ecrã e em 27 de abril de 1991 foi detida depois de a polícia ter encontrado 36 gramas de cocaína na casa da atriz. 

No mesmo ano, foi condenada a três anos e meio de prisão por posse de estupefacientes, tendo sido absolvida em março de 2000, após nove anos de recursos judiciais. 


Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.