sicnot

Perfil

Cultura

Jovem bailarino do Porto é o primeiro português na escola da Ópera de Paris

A grande mudança na vida do jovem bailarino Diogo Oliveira, de 16 anos, está marcada para setembro, quando ingressar na escola de dança da Ópera de Paris, em França, tornando-se no primeiro português a atingir este "patamar extremamente elevado".

ESTELA SILVA

O portuense Diogo de Oliveira entrou na dança aos dez anos por sugestão dos tios e atuais professores, Alexandre Oliveira e Sílvia Boga, e sua idade em nada o prejudicou, pelo contrário, porque "desde o início demonstrou capacidades, não só físicas como intelectuais e emocionais, para ter um percurso bem-sucedido", o que já lhe permitiu arrecadar diversas distinções nos últimos quatro anos nos concursos internacionais em que participou.

O convite para assim se tornar no primeiro português a ingressar na escola de dança da Ópera de Paris surgiu em abril, em Nova Iorque, onde decorreu a Youth America Grand Prix -- considerada como a maior competição mundial para estudantes de ballet -, na qual ficou classificado como um dos seis melhores solistas seniores.

Voar agora do Porto até à capital francesa com uma bolsa de estudos na mão "é uma mudança que é importante, porque permite depois, com maior facilidade, arranjar trabalho" nesta área, destacou o jovem bailarino à Lusa, que durante os próximos dois anos ficará alojado em regime de internato nas instalações da Ópera de Paris.

"Fiquei muito feliz mas fiquei surpreendido, [porque] não estava mesmo nada à espera de receber um convite desta dimensão. É uma escola muito conceituada e é bastante complicado conseguir entrar", confessou Diogo, não escondendo que a dança exige muito esforço e dedicação, mas é o que de facto gosta de fazer.

Mais do que valorizar o trabalho que é desenvolvido naquela escola que tem mais de 300 anos, Diogo destaca as oportunidades que lhe poderão surgir, porque, "infelizmente, acabar a formação em dança em Portugal não significa ter facilidade no futuro em arranjar emprego".

O Diogo é um "aluno exemplar", classificou o professor Alexandre, da Escola Domus Dança, para quem este convite e a bolsa são "a confirmação de que o trabalho que ele desenvolveu foi excelente".

"Não é uma oportunidade comum, é bastante rara", afirmou, salientando que a escola de dança da Ópera de Paris é "uma das cinco de topo internacionais" e "um patamar extremamente elevado".

Ser o primeiro português a ingressar naquela instituição faz de Diogo "uma pessoa muito feliz e concretizada", e nem a língua, que não lhe é familiar, o está a assustar.

"Acho que vai ser uma experiência bastante positiva. Vou ter o dia-a-dia bastante ocupado, [com] ensino regular de manhã e à tarde várias aulas de técnicas", como clássica, contemporânea, pas de deux, disse.

O bailarino já recebeu ofertas da Academia Bolshoi, School of American Ballet, escolas estatais de Viena (Áustria), Munique e Berlim (Alemanha), Mónaco, Zurique (Suíça) e English National Ballet (Inglaterra), entre outras, e dedica entre cinco a seis horas por dia à dança, esperando "estar entre os melhores" nesta nova etapa de vida. 

O aquecimento/estágio para o que o espera será feito a partir da próxima semana, quando o jovem estiver a frequentar naquela que será a sua futura escola um curso de verão, também a convite da sua diretora, Elisabeth Platel.

Sobre quais são os seus bailarinos de eleição que tenham completado a formação na sua nova escola, Diogo não tem dúvidas em apontar a atual diretora, Elisabeth Platel, bem como o diretor artístico da academia de Ballet da Ópera de Viena, Manuel Legris.

Alexandre Oliveira enaltece o "nível técnico" de Diogo, mas não quer para já pensar se o futuro do seu aluno e sobrinho passará por entrar na companhia da Ópera de Paris.

"Devemos projetar o futuro mas fazê-lo com cautela e com cuidado. A etapa seguinte é completar a formação na Ópera de Paris, que pensamos que vai ser ótimo para ele, o que vier a seguir logo se verá", concluiu. 

 

 

 

 

Lusa

 

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.