sicnot

Perfil

Cultura

Portugueses têm ido mais ao cinema

Os portugueses foram mais ao cinema no primeiro semestre deste ano, com as salas a registarem um aumento de 1,1 milhões de espectadores e 5,4 milhões de euros de receita, comparando com o mesmo período de 2014.

© Chris Helgren / Reuters

De acordo com os dados estatísticos divulgados hoje pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), entre janeiro e junho 6,6 milhões de espectadores viram cinema na rede de exibição comercial, resultando numa receita bruta de bilheteira de 33,9 milhões de euros.

Esta subida generalizada em todos os meses - só janeiro é que registou uma quebra, comparando com janeiro de 2014 - deu-se sobretudo com os filmes "Velocidade furiosa 7" e "As cinquenta sombras de Grey". Foram os mais vistos este ano e, no conjunto, somaram cerca de 1,3 milhões de espectadores e mais de sete milhões de euros de receita.

Em maio, mês em que se realizou a primeira Festa do Cinema, com cerca de 200.000 espectadores, a subida foi de 7,3 por cento nas salas de cinema, comparando com maio de 2014.

Estes valores representam os primeiros dados estatísticos consecutivamente positivos nos últimos anos.

"Capitão Falcão", comédia satírica de João Leitão, foi o filme português mais visto deste semestre, com 27.309 espectadores e 129 mil euros de receita de bilheteira. Seguiram-se "Virados do avesso", de Edgar Pêra, e "Os Maias - Cenas da vida romântica", de João Botelho.

Apesar de se terem estreado mais filmes de produção europeia (88) do que norte-americana (65), a verdade é que os filmes produzidos nos Estados Unidos registaram uma larga vantagem em relação aos primeiros no que toca a receitas de bilheteira (75,1 por cento contra 16,7 por cento) e número de espectadores (74,4 por cento contra 17,6 por cento).

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01