sicnot

Perfil

Cultura

Realizador considera "vergonhoso" parecer da UNESCO sobre "tesouro" em Madagáscar

O produtor de um documentário sobre a descoberta dos destroços do navio e do tesouro de um pirata famoso, perto de Madagáscar, contestou hoje um relatório da UNESCO que desacredita as "descobertas arqueológicas" reclamadas pelo explorador Barry Clifford.

© Nir Elias / Reuters

Sam Brown, que realizou um documentário sobre o explorador subaquático norte-americano, Barry Clifford, afirma ser "vergonhoso" o relatório da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) divulgado na terça-feira a desacreditar as descobertas reclamadas por Clifford, acrescentando que a organização é "ideologicamente contra as explorações arqueológicas financiadas pelo setor privado".

Em maio, Barry Clifford reclamou a descoberta dos destroços do navio do famoso pirata William Kidd e exibiu um lingote de 50 quilos, alegadamente de prata.

Porém, na terça-feira, a UNESCO negou tal descoberta, afirmando que o lingote é de chumbo e que os supostos destroços do navio "Adventure Galley", do famoso pirata escocês, correspondem na realidade a restos de antigas instalações portuárias da Ilha de 'Sainte-Marie', situada a este de Madagáscar.

"Quando o lingote foi descoberto nós enviámos fotografias a vários especialistas independentes que nos asseguraram tratar-se de prata", salientou Sam Brown, acrescentando que "infelizmente" não foi possível testar o lingote por este ter sido enviado ao Presidente de Madagáscar e remetido para Antananarivo.

Sam Brown refere ainda que a equipa de Barry Clifford investigou o local do naufrágio durante 15 anos, enquanto a UNESCO demorou apenas alguns dias para desacreditar os seus resultados.

William Kidd, que iniciou a sua carreira marítima, no século XVII, como capitão da marinha inglesa, tornou-se depois um dos mais temidos piratas e acabou por afundar deliberadamente o "Adventure Galley" na ilha de 'Sainte-Marie', tendo morrido pouco tempo depois (1701), enforcado em Londres por pirataria.

Esta é a segunda vez que a UNESCO refuta descobertas anunciadas por Barry Clifford.

Em 2014 o explorador anunciou ter encontrado ao largo do Haiti os destroços da nau Santa Maria de Cristóvão Colombo, o que foi imediatamente desmentido por uma missão da UNESCO.

Lusa

  • Hoje joga Portugal (mas antes há um Uruguai-Rússia em direto na SIC)

    Mundial 2018 / O Mundial

    Começa a última jornada da fase de grupos do Mundial, com quatro jogos por dia. Às 15:00, numa partida transmitida em direto na SIC, a anfitriã Rússia e o Uruguai resolvem qual poderá ser o adversário de Portugal nos oitavos de final. Isto, dependendo claro da prestação da seleção nacional frente ao Irão, ao fim da tarde, uma vez que a qualificação não está garantida (e pode até depender do resultado do Espanha-Marrocos).

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes