sicnot

Perfil

Cultura

Museus, palácios e monumentos nacionais com mais 10% visitantes no 1º semestre

Os museus, palácios e monumentos nacionais receberam cerca de 1,8 milhões de visitantes no primeiro semestre de 2015, um aumento de 10% em comparação com o mesmo período de 2014, segundo as estatísticas oficiais hoje divulgadas.

(arquivo)

(arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

De acordo com os dados da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), os 23 espaços culturais sob a sua tutela receberam um total de 1.851.000 visitantes no primeiro semestre de 2015, e no mesmo período de 2014 foram 1.681.036.

Por grupos, os monumentos registaram a maior subida, de 15,7%, para 1.087.372 visitantes, seguindo-se os palácios, com um aumento de 12,4%, para 183.381, e os museus, com mais 0,3%, para 580.050.

Os aumentos mais significativos nas entradas revelam-se, segundo as tabelas divulgadas, revelaram-se no Museu Nacional de Etnologia, em Lisboa (42,6%), no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra (39,4%), no Convento de Cristo, em Tomar (25,9%) e no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa (19,8%).

Globalmente, os espaços que registaram mais entradas no primeiro semestre de 2015 foram o Mosteiro dos Jerónimos (441.345), a Torre de Belém (285.815), ambos em Lisboa, seguindo-se o Palácio Nacional de Mafra (152.068), o Mosteiro da Batalha (135.176) e o Museu Nacional dos Coches, em Lisboa (120.348).

Relativamente às descidas mais significativas, o Museu Nacional de Arte Antiga lidera, com -43,7%, seguindo-se o Museu Nacional do Teatro, com -12,1%, e o Museu de Arte Popular, com -10,3%, todos em Lisboa.

Quanto à variação dos visitantes nacionais e estrangeiros, houve aumentos de entradas de estrangeiros nos monumentos, museus e palácios.

Os portugueses visitaram também mais os monumentos e palácios, mas diminuíram as entradas nos museus.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.