sicnot

Perfil

Cultura

Obra de Picasso avaliada em 25 M€ apreendida em barco na Córsega

Uma pintura de Picasso, avaliada em mais de 25 milhões de euros, que estava proibida de ser exportada pelas autoridades espanholas, foi apreendida na sexta-feira passada num barco na Córsega, anunciou hoje a autoridade aduaneira francesa.

"Woman in an Armchair"

"Woman in an Armchair"

© Carlos Barria / Reuters

Uma "tentativa de exportar para a Suíça, desde a alfândega de Bastia (vila de Córsega), uma pintura de Picasso 'Cabeça de uma jovem mulher', chamou a atenção das autoridades francesas na quinta-feira", explicou a autoridade aduaneira francesa, num comunicado.

No dia seguinte, os agentes aduaneiros de Calvi (Córsega) "subiram a bordo do navio que transportava a obra e que estava atracado na marina de Calvi" e pediram os "documentos relativos à situação da obra", destaca ainda o comunicado.

"O capitão do navio não conseguiu apresentar mais do que um documento de avaliação da obra, bem como um relatório de julgamento redigido na língua espanhola, de maio de 2015, da Audiência Nacional (tribunal espanhol), confirmando que era um tesouro nacional espanhol que não podia sair de Espanha".

Este quadro, "de um valor estimado em mais de 25 milhões de euros", segundo a autoridade aduaneira, é propriedade de Jaime Botin, um famoso banqueiro espanhol cuja família participou na fundação do banco Santander em 1857, tornando-se o primeiro grupo bancário do país.

O proprietário, de 79 anos, não estava a bordo do navio, propriedade de uma empresa da qual é acionista e que tem pavilhão britânico, disse à agência noticiosa AFP um porta-voz da alfândega.

O pedido de exportação registado em Bastia não foi feito em seu nome.

Um primeiro pedido foi feito em dezembro de 2012, em Espanha, para o quadro sair definitivamente do território, com destino a Londres.

O ministro da Cultura opôs-se e, em 2015, a Audiência Nacional, um dos mais altos tribunais espanhóis, julgou a obra como "não podendo ser exportada", alegando que pertencia aos "bens de interesse cultural" e, por isso, não podia deixar o território nacional.

As autoridades francesas aguardam eventuais pedidos de Espanha para recuperar a obra.

AZM/VM // VM

Lusa/Fim

NewsSubjects:- Crime, lei e justiça - Lei internacional - Artes (geral)

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.