sicnot

Perfil

Cultura

Português DJ Ride selecionado para competição mundial no Japão

O músico produtor português DJ Ride, campeão mundial de "scratch" em 2011, foi selecionado para a final do campeonato de DJ "Red Bull Thre3style", que decorrerá em setembro em Tóquio, no Japão, anunciou a organização.

DJ Ride é o nome artístico do músico e produtor Oliveiros Tomás Oliveira, um dos mais elogiados e respeitados nomes do universo hip hop português. (Arquivo)

DJ Ride é o nome artístico do músico e produtor Oliveiros Tomás Oliveira, um dos mais elogiados e respeitados nomes do universo hip hop português. (Arquivo)

Stanislaw Rozpedzik / Lusa

"É o campeonato mais importante para os DJ de música urbana, o que tem mais visibilidade e é um sonho, é a primeira vez que vou ao Japão, onde estão muitos nomes que admiro", afirmou o DJ à agência Lusa.

O "Red Bull Thre3style", que vai na sexta edição, distingue o DJ que demonstre as melhores capacidades técnicas na manipulação do gira-discos e mesa de mistura e que ao mesmo tempo consiga por uma plateia a dançar.

DJ Ride, de 30 anos, há 12 a praticar "scratch" (movimentar com as mãos um disco de vinil num gira-discos e ao mesmo tempo manipular a mesa de mistura), concorreu a um lugar neste campeonato com um vídeo de cinco minutos, feito em casa, no qual demonstra o que pode fazer musicalmente com aquele equipamento.

Foi a terceira vez que DJ Ride concorreu a uma espécie de semi-final do campeonato, aberta a países que não participam habitualmente nas fases de apuramento para a final, como é o caso de Portugal.

"Eu mandei o vídeo, mas sinceramente nem tinha muita expetativa desta vez. Mandei uma coisa mais técnica, fiz em quatro dias na sala de minha casa que está também transformada em espaço de trabalho", descreveu o músico.

DJ Ride é o nome artístico do músico e produtor Oliveiros Tomás Oliveira, um dos mais elogiados e respeitados nomes do universo hip hop português.

Detém uma mão cheia de distinções em competições, uma delas a de campeão mundial de "scratch", obtida em 2011 na Polónia juntamente com Stereossauro na dupla Beatbombers.

Com uma agenda preenchida com atuações, tanto no inverno como no verão - na quinta-feira atuou nos Açores, no sábado estará no festival Sudoeste, na Zambujeira do Mar -, o restante tempo é dedicado ao treino e ao trabalho de estúdio.

"Já fiz treinos de oito horas seguidas, mas há dias em que faço duas ou três. É como tocar um outro instrumento, é preciso trabalho", disse o DJ que se define como um músico experimental que tentar contar uma história com um "set".

Em setembro, DJ Ride nem sabe bem ainda em que consiste o prémio do "Red Bull Thre3style", mas o principal é visibilidade. Sabe que terá cerca de 15 minutos para mostrar o que vale e que possivelmente vai incluir música portuguesa.

"Ganhar é secundário. O maior prémio é poder mostrar o que faço. Ando nisto há doze anos e um dos objetivos é tocar lá fora", afirmou.

Na escolha de DJ Ride para o campeonato em setembro no Japão, o produtor Skratch Bastid, do júri, elogiou, por exemplo, o "equilíbro entre a técnica e a musicalidade" demonstrado pelo português, lê-se na página oficial do campeonato.

Em Tóquio, DJ Ride irá disputar o título com DJ dos Estados Unidos, Japão, Canadá, Alemanha, Brasil, Chile, Suíça, Filipinas, Polóniia, Albânia, Kossovo, Azerbeijão, Tailândia, Coreia do Sul, Taiwan e Letónia.

Entre os discos já editados, DJ Ride conta, em nome próprio, com registos como "Turntable food", "Beat journey" e "Life in loops".

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43