sicnot

Perfil

Cultura

Teatro D. Maria II vai ter obras e avaliar estado do dispositivo de palco

O conselho de administração do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), em Lisboa, tem previsto um conjunto de intervenções no edifício, nomeadamente na livraria e no espaço de café, disse à Lusa o seu presidente, Miguel Honrado.

(DR)

(DR)

O responsável adiantou que, já este mês, vai também ser analisado o estado do dispositivo de palco, nomeadamente da maquinaria, "talvez o mais profundo diagnóstico desde a reabertura do teatro, em 1978".

Miguel Honrado afirmou que as obras previstas na livraria e no espaço de café visam criar "um maior diálogo" entre o átrio, "que se chamará Garrett, e a livraria, de modo a fazer um ponto de encontro" e promover a "difusão cultural".

Neste conjunto de intervenções, cofinanciadas por fundos europeus, está ainda prevista a "manutenção e reabilitação de algumas estruturas técnicas do edifício, assim como a impermeabilização do telhado e a acessibilidade a públicos com dificuldades especiais".

A empreitada de obra e a concessão do Café Garrett serão por ajuste direto, disse Miguel Honrado, pois os valores orçamentados estão "abaixo dos que obrigam à abertura de concurso público".

As áreas de arquivo e biblioteca são apostas para este triénio e, por isso, estão a ser desenvolvidos "instrumentos tecnológicos mais apurados", dando continuidade ao trabalho de inventariação e catalogação.

Miguel Honrado disse que o TNDM "está atento" ao programa comunitário 2020, que privilegia as novas tecnologias e a informação em meio digital, com o objetivo de apresentar uma candidatura.

O TNDM, revelou, tem um novo armazém na zona oriental de Lisboa, em Cabo Ruivo, que "estará operacional até ao final do ano" e irá permitir "albergar em muito melhores condições", os serviços de arquivo e as oficinas.

O novo armazém pode ainda vir a ter um espaço de manutenção e restauro da parte documental e da cenográfica.

Sobre o estado do edifício do TNDM, no Rossio, que está a completar 170 anos, Miguel Honrado disse que "as fugas de gás estão acauteladas, e foi possível recorrer às situações de maior premência e urgência".

Em 2016, o TNDM celebra 170 anos, tendo sido inaugurado no dia de aniversário da rainha D. Maria II, a 13 de abril de 1846, por iniciativa do dramaturgo Almeida Garrett, que também promoveu a fundação do Conservatório Geral de Arte Dramática.

Em 1964 o edifício sofreu um incêndio, foi restaurado e reinaugurado catorze anos depois.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.