sicnot

Perfil

Cultura

Teatro D. Maria II vai ter obras e avaliar estado do dispositivo de palco

O conselho de administração do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), em Lisboa, tem previsto um conjunto de intervenções no edifício, nomeadamente na livraria e no espaço de café, disse à Lusa o seu presidente, Miguel Honrado.

(DR)

(DR)

O responsável adiantou que, já este mês, vai também ser analisado o estado do dispositivo de palco, nomeadamente da maquinaria, "talvez o mais profundo diagnóstico desde a reabertura do teatro, em 1978".

Miguel Honrado afirmou que as obras previstas na livraria e no espaço de café visam criar "um maior diálogo" entre o átrio, "que se chamará Garrett, e a livraria, de modo a fazer um ponto de encontro" e promover a "difusão cultural".

Neste conjunto de intervenções, cofinanciadas por fundos europeus, está ainda prevista a "manutenção e reabilitação de algumas estruturas técnicas do edifício, assim como a impermeabilização do telhado e a acessibilidade a públicos com dificuldades especiais".

A empreitada de obra e a concessão do Café Garrett serão por ajuste direto, disse Miguel Honrado, pois os valores orçamentados estão "abaixo dos que obrigam à abertura de concurso público".

As áreas de arquivo e biblioteca são apostas para este triénio e, por isso, estão a ser desenvolvidos "instrumentos tecnológicos mais apurados", dando continuidade ao trabalho de inventariação e catalogação.

Miguel Honrado disse que o TNDM "está atento" ao programa comunitário 2020, que privilegia as novas tecnologias e a informação em meio digital, com o objetivo de apresentar uma candidatura.

O TNDM, revelou, tem um novo armazém na zona oriental de Lisboa, em Cabo Ruivo, que "estará operacional até ao final do ano" e irá permitir "albergar em muito melhores condições", os serviços de arquivo e as oficinas.

O novo armazém pode ainda vir a ter um espaço de manutenção e restauro da parte documental e da cenográfica.

Sobre o estado do edifício do TNDM, no Rossio, que está a completar 170 anos, Miguel Honrado disse que "as fugas de gás estão acauteladas, e foi possível recorrer às situações de maior premência e urgência".

Em 2016, o TNDM celebra 170 anos, tendo sido inaugurado no dia de aniversário da rainha D. Maria II, a 13 de abril de 1846, por iniciativa do dramaturgo Almeida Garrett, que também promoveu a fundação do Conservatório Geral de Arte Dramática.

Em 1964 o edifício sofreu um incêndio, foi restaurado e reinaugurado catorze anos depois.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.