sicnot

Perfil

Cultura

"Cosmos", produzido por Paulo Branco, vence Leopardo para Melhor Realização em Locarno

O filme "Cosmos", do polaco Andrzej Zulawski, produzido por Paulo Branco e rodado em Portugal, com atores portugueses, entre os quais Victoria Guerra, conquistou hoje o Leopardo para Melhor Realização no Festival de Locarno, informou fonte oficial.

URS FLUEELER

"Cosmos", uma "comédia metafísica" - como lhe chamou o crítico do Hollywood Reporter -, baseada no romance homónimo de Witold Gobrowicz, assinala o regresso de Andrzej Zulawski ao cinema, após 15 anos sem filmar, foi um dos dois filmes portugueses que competiu no Festival de Cinema de Locarno (Suíça), que terminou hoje com a entrega de prémios.

"Maria do Mar", de João Rosas, uma curta-metragem de ficção, com que o realizador foi premiado em julho, no festival de Curtas de Vila do Conde, foi outro dos filmes portugueses em competição, na secção novos realizadores.

O filme gira em torno de Nicolau, um adolescente em férias, com os amigos do irmão mais velho.

Fora de competição, Locarno contou ainda com três outros filmes de produção portuguesa: "A glória de fazer cinema em Portugal", de Manuel Mozos, "Undisclosed Recipients", de Sandro Aguilar, e "Noite sem distância", do espanhol Lois Patiño.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.