sicnot

Perfil

Cultura

One Direction: separação à vista?

Os membros da banda inglesa One Direction decidiram separar-se, escreve o jornal britânico The Sun. Querem dedicar-se a projetos a solo e daqui a um ano, logo se vê. Mas o porta-voz da banda não comenta o que classifica de "especulação".

© Mario Anzuoni / Reuters

© Eric Gaillard / Reuters

© L.E. Baskow / Reuters

© Danny Moloshok / Reuters

© Danny Moloshok / Reuters

A notícia saiu ontem no jornal britânico "The Sun" e foi replicada: os One Direction vão parar um ano para que os seus elementos possam trabalhar em projetos individuais.

A banda não confirma, nem desmente. Chama-lhe "especulação".

Mas há mais. Escreve o jornal que os One Direction não vão fazer a tournée de lançamento do último álbum, que será lançado no final deste ano, e o último concerto está agendado para dia 31 de outubro na Motorpoint Arena, na cidade inglesa de Sheffield.

Não há digressão mas estarão previstas aparições públicas da banda até março de 2016, em programas de televisão e apresentações especiais para promover o quinto e, quem sabe, o último do quarteto.

Escreve a imprensa da especialidade que os quatro elementos restantes, depois da saída de Zayn Malik este ano, já conversaram e chegaram a um consenso para estabelecer a pausa.

Mas o que muitos "especulam" é que essa pausa servirá para por um ponto final na banda.

Os One Direction nasceram no programa de talentos exibido na televisão, o Fator X, ou X Factor em inglês. Um dos jurados do programa, o conhecido Simon Cowell foi quem teve a brilhante ideia de juntar os cinco adolescentes, Louis Tomlinson, Harry Styles, Liam Payne, Niall Horan e Zayn Malik.

Já lá vão cinco anos e 50 milhões de cópias vendidas, segundo o The Sun que escreve ainda que cada elemento do quarteto arrecadou, com discos, concerto, merchandising, etc., cerca de 34 milhões de euros.

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01