sicnot

Perfil

Cultura

Festival de cinema português em Berlim vai homenagear Manoel de Oliveira

"Um Amor Português" é o tema da segunda edição da mostra Cinemagosto, que decorre entre hoje e domingo, em Berlim, com a apresentação de dez filmes portugueses, legendados em inglês, e uma homenagem a Manoel de Oliveira.

Manoel de Oliveira. (Arquivo)

Manoel de Oliveira. (Arquivo)

© Handout . / Reuters

A temática do festival, que inclui filmes de ficção, animação e documentário, surgiu porque "existe em Portugal um conjunto de títulos interessantes relativos ao amor trágico e desesperado", explica a programadora da mostra, Anabela Moutinho, acrescentando que "o amor trágico tem a ver com a cultura portuguesa".

O programa da mostra de cinema oferece, na sessão de abertura, "Esquece Tudo o Que te Disse", de António Ferreira, e conta com a presença do diretor de fotografia, Marcus Lenz.

O festival, a decorrer nas salas do Hackesche Hoefe Kino, em Berlim, inclui ainda a exibição de "A Noite", o filme de estreia de Regina Pessoa, "Fleurette", obra biográfica de Sérgio Tréfaut, e "Alice", de Marco Martins, um dos filmes mais vistos do cinema português.

"A Vingança de uma Mulher" de Rita Azevedo Gomes, "O Milagre segundo Salomé",de Mário Barroso, "Estória do Gato e da Lua",de Pedro Serrazina, e "Outras cartas ou o amor inventado", de Leonor Noivo, também fazem parte do programa da mostra.

O documentário de Joaquim Pinto "E Agora? Lembra-me", distinguido em diferentes festivais internacionais, e "Vale Abraão" de Manoel de Oliveira, completam a programação.

O realizador Manoel de Oliveira, falecido em Abril, será homenageado com um filme "consensual e que cai muito bem na temática [do festival], já que Oliveira tem tantos filmes assombrosos sobre 'amores frustrados'", elogia a programadora de cinema, entrevistada em Berlim.

Anabela Moutinho refere que o festival é uma forma de divulgar o cinema português no estrangeiro, para que o público alemão possa "tomar contacto com algumas obras que têm inegável qualidade artística" e com a identidade dos portugueses, já que "há um lado de meditação e de contemplação que faz parte da identidade portuguesa que está completamente transposta naquilo que é o cinema nacional", explica.

Além dos espectadores berlinenses, Anabela Moutinho espera que, para os portugueses a viver em Berlim, "ir a uma sala de cinema e ver um filme falado em português, seja uma maneira muito eficaz de combater as saudades da terra".

A organização do evento, a cargo de Anabela Moutinho, Hannes Reiss e Helena Araújo, preparou ainda, além do festival de cinema, uma exposição de fotografia de Maria Leonardo, a decorrer até 24 de setembro no Hotel Pestana Tiergarten Berlin, um ponto de venda de DVDs e uma mostra gastronómica.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".