sicnot

Perfil

Cultura

"Hamlet" de Shakespeare no palco do Teatro do Bairro Alto a partir de sexta-feira

A peça "Hamlet" de William Shakespeare, traduzida por Sophia de Mello Breyner, vai estar no palco do Teatro do Bairro Alto a partir de sexta-feira, numa coprodução Teatro da Cornucópia e da Companhia de Teatro de Almada.

MANUEL DE ALMEIDA

A peça estreou no Festival de Almada em julho deste ano e vai estar em cena em Lisboa até 17 de outubro.

"O que faz a tragédia aqui é o acompanhamento pelo espetador, de monólogo em monólogo, do trajeto mental de um indivíduo que não consegue ser adulto, enfrentar o mundo, agir, (...) um jovem maldito pela identidade e pelos valores que herdou: ser príncipe. Ser superior", descreve Luís Miguel Cintra num texto sobre o personagem principal da peça.

O ator e encenador sublinha ainda: "Em termos muito simples, oxalá este espetáculo traga pelo menos, a quem o vir, uma leitura cuidadosa, detalhada, de um texto absolutamente genial, que toda a gente julga conhecer, mas que no fundo ninguém conhece. Mas que para a formação de qualquer pensamento adulto é indispensável".

Luís Miguel Cintra, Prémio Pessoa 2005, sublinha ainda que "é de aproveitar uma circunstância em que ainda se representa toda a peça. Essa liberdade vai acabar porque o Tempo mudou. Não fugiram só as vaidades, no fim. Brincando com as palavras (...) apetece dizer que agora os relógios tendem a proibir as verdades. E a deixar passar só vaidades".

Com encenação de Luis Miguel Cintra, "Hamlet" tem cenário e figurinos de Cristina Reis e interpretação de Alberto Quaresma, Bernardo Souto, Dinis Gomes, Duarte Guimarães, Guilherme Gomes, Isac Graça, João Reixa, José Manuel Mendes.

Luís Lima Barreto, Luís Madureira, Luis Miguel Cintra, Marques D'Arede, Nídia Roque, Rita Cabaço, Silvio Vieira, Teresa Gafeira e Tiago Matias integram ainda o elenco.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.