sicnot

Perfil

Cultura

Mozart e Verdi no concerto de abertura da temporada lírica do São Carlos

O concerto de abertura da Temporada lírica 2015/2016 do Teatro Nacional de São Carlos, dirigido por Joana Carneiro, realiza-se na sexta-feira, com excertos de óperas de Mozart e Verdi, entre outros compositores.

(berkeleysymphony.org)

(berkeleysymphony.org)

De acordo com a programação, nesse dia, a partir das 21:00, estarão em palco a soprano Susana Gaspar e a meio-soprano Cátia Mores, acompanhadas pela Orquestra Sinfónica Portuguesa (OSP) e o coro do Teatro São Carlos.

Serão interpretadas árias, coros e aberturas de óperas de Wolfgang A. Mozart, Léo Delibes, Giuseppe Verdi, Pietro Mascagni, Giacomo Puccini e Georges Bizet.

"La Bohéme" e "Madame Butterfly", de Puccini, "Il Trovatore" e "Nabucco", de Verdi, "Carmen", de Bizet, "Le Nozze di Figaro", de Mozart, "Cavalleria Rusticana", de Mascani, "Lakmé", de Delibes, são algumas das peças previstas no programa.

Nesta temporada, o São Carlos vai apresentar duas produções líricas próprias - a ópera "Dialogues des Carmélites", de Poulenc, encenada por Luís Miguel Cintra, e "Iphigénie en Tauride", de Gluck, com encenação de David Bates - e a estreia de "Canto da Europa", de Nuno Maló, com libreto de Jacinto Lucas Pires.

Na programação sinfónica estreiam-se duas peças de compositores portugueses, uma de Pedro Faria Gomes, ainda sem título, no concerto de 14 de fevereiro de 2016, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, e "Incipit", de Luís Tinoco, que é tocada, também no CCB, no dia 15 de maio.

A programação lírica, que envolve seis dramas, o "Canto da Europa", o Requiem de Verdi e perto de 30 récitas, inclui "Madame Butterfly", de Puccini, sob a direção musical de Domenico Longo e encenação de Tim Albery, numa produção da Opera North, de Inglaterra.

A temporada sinfónica abre no dia 27 de setembro, no grande auditório do CCB, com Joana Carneiro a dirigir a Sinfonia n.º 7 em mi menor, de Mahler.

A OSP atuará várias vezes no CCB, também no Nacional D. Maria II, em Lisboa, na apresentação de "Canto da Europa", em janeiro do próximo ano, e na Casa da Música, no Porto, em maio.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.