sicnot

Perfil

Cultura

Genebra acolhe exposição de escultora portuguesa inspirada na arquitetura

A cidade de Genebra, acolhe, até final de outubro, uma exposição da escultora portuguesa Fernanda Fragateiro, inspirada na arquitetura e paisagem da cidade suíça.

facebook.com/fernanda.fragateiro

facebook.com/fernanda.fragateiro


Patente até o dia 31 de outubro, a artista reúne uma série de peças relacionadas com arquitetura, numa abordagem minimalista quer nas cores quer nas texturas e nas formas, intitulada "Paisagem Não Paisagem" e inspirada pela arquitetura do edifício onde está localizada a galeria que acolhe a exposição, a Studio Sandra Recio.

"Esta exposição nasce a partir do edifício onde está inserida a galeria", em relação com "o elemento arquitetónico da persiana que é comum em Genebra", disse à agência Lusa Fernanda Fragateiro.

De acordo com a autora, as peças simbolizam alguns dos materiais e as cores visíveis na fachada do edifício. As peças expostas foram realizadas a partir de latão, livros, linhas de seda e pregos.

A obra principal, que dá nome à exposição, faz referência à cor verde típica das persianas da maioria dos prédios de Genebra.

Admiradora de arquitetura, Fernanda Fragateira ainda faz referência ao arquiteto suíço Le Corbusier, através de um mapa realizado com fios de sede e pregos na galeria.

Ao mesmo tempo que a sua exposição individual em Genebra, a artista ainda apresenta hoje outros trabalhos em Lisboa e Bilbau. No próximo ano, a escultora vai expor o seu trabalho em Berlim e Évora.

Fernanda Fragateiro trabalha e reside em Lisboa. Ela já participou em várias exposições públicas e privadas em Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Suíça e Portugal.

A Galeria Studio Sandra Recio divulga particularmente artistas contemporâneos hispânicos e latino-americanos, mas também apoia alguns artistas suíços e europeus.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.