sicnot

Perfil

Cultura

Escultura de Anish Kapoor vandalizada em Versalhes coberta com folhas de ouro

Galeria de fotos

A escultura do artista britânico de origem indiana Anish Kapoor, instalada no parque do Palácio de Versalhes, foi vandalizada três vezes com inscrições antissemitas, desde que foi instalada em junho. O autor decidiu agora cobrir as inscrições em parte com folhas de ouro, de modo a não remover as frases.

Francois Mori/AP

Bertrand Combaldieu/AP

Francois Mori/AP

Francois Mori/AP

Francois Mori

Bertrand Combaldieu

© Charles Platiau / Reuters

A escultura, com 60 metros de comprimento, feita em aço, pesando várias toneladas, causou polémica logo na inauguração a 9 de junho. Intitulada "Dirty Corner" ["Canto Sujo"], tem sido apelidada "Vagina da Rainha", dadas as conotações sexuais evidentes.

"Rainha sacrificada, duas vezes ultrajada", "SS Sacrifício Sangrento" e "Cristo é rei em Versalhes" são alguns exemplos das frases escritas.

Na segunda vandalização, Anish Kapoor disse não querer que as inscrições fossem retiradas: "Da primeira vez até achei que tinha sido bom porque a obra foi toda limpa, mas agora acho que devem ficar as inscrições porque acabam por fazer parte da minha obra".

No entanto, após a terceira vandalização, o Tribunal Administrativo ordenou que o Palácio de Versalhes retirasse da vista do público as mensagens antisemitas. A obra foi coberta por um pano negro.

Kapoor decidiu então que as inscrições seriam cobertas com folhas de ouro, mas não totalmente, de forma a que se vejam que existem porque "estas palavras infames" já fazem parte da obra, afirmou o artista no início desta semana.

Em comunicado, o Presidente francês François Hollande repudiou "firmemente" a degradação de que a obra foi alvo, manifestando solidariedade para com o artista, defendendo a liberdade de expressão "nos lugares mais prestigiados do património de França".

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.