sicnot

Perfil

Cultura

A arte do português Vhils também chegou ao espaço

Uma obra do artista português Alexandre Farto, que assina como Vhils, esteve este mês na Estação Espacial Internacional (EEI), no âmbito do filme "O sentido da vida", revelou o realizador Miguel Gonçalves Mendes.

DR

É a primeira vez que um artista português colabora com a Estação Espacial Internacional, com uma instalação artística que esteve colocada na cúpula da EEI e que retrata o astronauta dinamarquês Andreas Mogensen.

A obra de Vhils seguiu para o espaço juntamente com o astronauta, que fez a primeira viagem para a EEI no início de setembro. Andreas Mogensen é uma das figuras retratadas no documentário de Miguel Gonçalves Mendes.

A instalação de Vhils, a primeira que criou para o espaço, mostra o rosto do astronauta dinamarquês colocado no único ponto da EEI onde se vê a Terra na totalidade e onde os astronautas conseguem assistir ao nascer e ao por do sol 16 vezes ao longo do dia.

As imagens desta instalação de Vhils - e as que o astronauta dinamarquês captou na estadia na EEI - serão incluídas no documentário que Miguel Gonçalves Mendes está a rodar em vários locais do mundo, com sete personalidades internacionais, e que só deverá estrear-se em 2017.

Esta não foi a única obra que Vhils fez para o filme "O sentido da vida". Em Vila do Conde, Alexandre Farto esculpiu o rosto do escritor Valter Hugo Mãe no molhe da Senhora da Guia, junto ao mar.

Andreas Mogensen, Valter Hugo Mãe, a figurinista japonesa Emi Wada, o juiz espanhol Bastasar Garzón e o músico islandês Hilmar Örn Hilmarsson são outras das sete personalidades que Miguel Gonçalves Mendes já filmou para este documentário. Estão ainda por confirmar as participações da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, do papa Francisco e do oceanógrafo Fabian Costeau.

"O sentido da vida" é um filme que conta a história real de Giovane Brisotto, jovem brasileiro, portador de paramiloidose familiar, uma doença de origem portuguesa também conhecida como "doença dos pezinhos".

Giovane Brisotto guia a narrativa do filme, em viagem pelo mundo, traçando o caminho que os portugueses terão feito há 500 anos quando disseminaram a doença. É ao longo dessa viagem que se cruza com várias personalidades que, no conjunto, o ajudarão a descobrir o sentido da vida.

No filme, Giovane Brisotto representa o cidadão comum, enquanto as personalidades representam, segundo o realizador, os "novos heróis da contemporaneidade, mas tão humanos" como qualquer um.

A viagem pelo mundo para concretizar este projeto começou em janeiro deste ano, quando Miguel Gonçalves Mendes, Giovane Brisotto e uma pequena equipa técnica partiram de Lisboa rumo à Índia por via marítima. Já foram percorridos mais de 50.000 quilómetros.

Com um orçamento de cerca de 1,5 milhões de euros, "O sentido da vida" conta com coprodução da O2 Filmes, produtora do realizador brasileiro Fernando Meirelles.

Lusa

  • As primeiras reações à morte de Chester Bennington

    Cultura

    Chester Bennington, vocalista da banda de metal alternativo Linkin Park, morreu esta quinta-feira em casa em Palos Verdes Estates, no estado da Califórnia, nos EUA. Várias celebridades já reagiram à morte do músico de 41 anos. Segundo o TMZ, o cantor da banda norte-americana suicidou-se.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional

    Mundo

    A antiga estrela de futebol americano O. J. Simpson vai sair em liberdade condicional, depois de ter cumprido nove anos de prisão num estabelecimento prisional do estado do Nevada, nos Estados Unidos.

  • Filho do leão Cecil também foi abatido por um caçador

    Mundo

    Xanda pode ter tido o mesmo fim que o seu pai, o leão Cecil, que em 2015 foi abatido por um caçador, no Zimbabué. Na altura, a morte de Cecil tomou proporções inéditas, chegando uma imagem do leão a ser projetada na fachada do Empire State Building. Agora, Xanda terá sido abatido a tiro por um caçador de troféus.