sicnot

Perfil

Cultura

Arte urbana alerta para os maus tratos de pessoas e animais

galeria de fotos

Centenas de paredes de edifícios abandonados em Leiria, agora pintadas, contam a história de pessoas e animais, num alerta público para os maus tratos.

PAULO CUNHA

Paulo Cunha

Paulo Cunha

Ricardo Romero artista e fundador do "projeto Matilha"

Ricardo Romero artista e fundador do "projeto Matilha"

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

Catarina Dias gerente do "projeto Matilha"

Catarina Dias gerente do "projeto Matilha"

PAULO CUNHA

O "Projecto Matilha" tem a pegada de Ricardo Romero, que alia a arte urbana a uma causa.

Um dos últimos trabalhos de Ricardo Romero foi pintado no PataiasPatas Parque, no concelho de Alcobaça, distrito de Leiria. O artista já projetou dois dos cães da fotógrafa alemã Elke Vogelsang, Scout e Loli, que foram resgatados e, mais uma vez, "chama a atenção para o problema dos animais abandonados", refere a coordenadora do "Projecto Matilha" Catarina Dias.

Em Leiria, é impossível não reparar nos cães gigantes que estão pintados a grafito sempre que se viaja pelo Itinerário Complementar n.º 2 (IC2), no Alto do Vieiro, em ambos os sentidos. Numa das paredes envelhecidas está também o retrato da filha de Ricardo Romero.

"Todos os cães têm uma história e todos existem. Todas as histórias são verdadeiras. Infelizmente, temos um mundo muito rico de histórias para contar, seja por perderem muito pelo, por se babarem muito ou porque apareceu um bebé e já não podem coexistir os dois seres. Representamos sempre a realidade", explica Catarina Dias.

Para Ricardo Romero, o "Projecto Matilha" "acaba por ser uma forma de estar na vida". O artista começou por pintar desde cedo e "inconscientemente" percebeu que quase sempre pintava figuras de animais. "Como sempre, respeitei muito a causa animal, cheguei a uma determinada altura e vi-me na obrigação de encontrar um conceito para o trabalho que vinha a desenvolver nos últimos anos. E foi assim que surgiu o 'Projecto Matilha'", relatou.

Quem utiliza a parede de escalada no parque radical de Leiria sobe e desce pela imagem do Bruno e do senhor Luís, o beato Salú. "Esta parede foi talvez das primeiras que comecei a pintar. Nesta altura, tinha ideia de contar às pessoas histórias reais do melhor amigo do homem, fosse ele animal racional ou irracional. Histórias felizes e histórias menos felizes", revelou Ricardo Romero.

A figura do homem representa o senhor Luís, de Évora, cidade de onde Ricardo Romero é natural. "É uma pessoa que toda a gente conhece como 'beato Salú'. É um filósofo da rua. É uma pessoa que pinta, que escreve, que tem um mundo muito próprio. É um amigo das pessoas de Évora, que tem valores como o companheirismo, amizade e lealdade".

Já o Bruno é um boxer, que foi resgatado em Espinho, juntamente com o Gaspar (o cão de Romero). "Foi adotado por uma senhora, mas até aos cinco, seis anos foi um cão muito mal tratado."

O objetivo "primordial" do "Projecto Matilha" é "chamar a atenção das pessoas para a causa animal e até mesmo para causas sociais e flagelos da sociedade", porque, "ninguém passa indiferente a estas peças", frisa Ricardo Romero. que não assina os desenhos. "Só isso, já obrigava as pessoas a terem curiosidade sobre o que esse estava a passar".

Catarina Dias acrescenta que o "Projecto Matilha" "incide essencialmente nos direitos dos animais, mas também se vê um bocadinho o animal como uma representação do animal não humano mas também humano".

O Loli, por exemplo, "é um animal que não tem um olho, é deficiente, certamente até foi essa a razão que o fez ser abandonado e é substituir a imagem do animal pela imagem de uma pessoa onde também ela sofre de maus-tratos e é negligenciada e excluída socialmente por ser portadora de uma deficiência, por ser de uma raça diferença".

"A luta que queremos pelo animal acaba por ser a luta que também é feita pelos direitos humanos. Pelos animais vemos como é que se tratam os humanos, sobretudo, os com mais fragilidades, como os portadores de deficiência, crianças, idosos, oriundos de origens diferentes. Este novo projeto quer refletir sobre isso, mas também agir".

Lusa

  • Colisão entre duas viaturas em Almancil causa 2 mortos e 3 feridos graves

    País

    Duas pessoas morreram e três ficaram feridas numa colisão ocorrida hoje entre dois veículos ligeiros numa variante da Estrada Nacional 125 perto de Almancil, distrito de Faro. Os três feridos foram transportados para o hospital de Faro em estado grave, segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.