sicnot

Perfil

Cultura

Jim Carrey arrasado com suicídio da ex-namorada

"Ela era uma flor irlandesa verdadeiramente gentil e delicada" é assim que Jim Carrey, em comunicado, começa por descrever a ex-namorada Cathriona White encontrada morta na passada segunda-feira em sua casa, em Los Angeles. De acordo com o site TMZ.com, a maquilhadora terá deixado uma nota de suicídio, que mencionava que a sua relação com Jim Carrey tinha terminado no dia 24 de setembro.

Richard Shotwell

Cathriona White, ex-namorada do ator Jim Carrey, foi encontrada morta esta segunda-feira em casa, na cidade de Los Angeles.

De acordo com o site de celebridades TMZ, White deixou uma carta de suicídio, em que mencionava que a relação com Jim Carrey tinha terminado no dia 24 de setembro.

No mesmo dia deixou uma mensagem enigmática no Twitter: "Espero ter sido uma luz para os meus próximos e queridos".

De acordo com as autoridades Cathriona White morreu vítima de overdose de drogas.

Jim Carrey e Cathriona White conheceram-se em 2012, mas mantiveram uma relação conturbada, com algumas separações e reconciliações. Em maio do ano passado, retomaram a relação.

O ator descreve a ex-namorada como uma pessoa muito sensível "para quem amar e ser amado era tudo o que importava. Meu coração vai para sua família e amigos e para todos aqueles que a amavam e se preocupavam com ela", escreveu no comunicado.

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.