sicnot

Perfil

Cultura

Concertos e protestos em defesa do Ensino Artístico Especializado

Várias escolas de Ensino Artístico Especializado da zona de Lisboa vão hoje realizar um concerto no Largo de São Carlos para comemorar o Dia Internacional da Música e chamar a atenção para os problemas das escolas e alunos.

© Ognen Teofilovski / Reuters


Apesar de as aulas já terem começado, milhares de alunos continuam sem saber se terão direito a ter aulas de música porque ainda não são conhecidos os apoios financeiros que serão atribuídos pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC), no âmbito de um programa que permite a alunos do ensino público frequentar um curso de música.

Este ano, pela primeira vez, todas as escolas de Ensino Artístico Especializado (EAE) passaram a ser financiadas através de verbas do Orçamentos do Estado e para tal tiveram de se candidatar para ter apoio estatal.

Até agora ainda só foram conhecidos os dados provisórios, que revelaram uma redução de verbas para algumas escolas que se queixam de asfixia financeira e alertam para o perigo de terem de despedir professores e reduzir alunos.

A lista definitiva dos resultados do financiamento deveria ter sido divulgada na segunda-feira, mas as escolas continuam sem conhecer o seu futuro.

"As escolas continuam a aguardar um contacto da tutela para informarem as famílias dos alunos quando se prevê a publicação dos resultados definitivos e se podem ou não beneficiar da comparticipação financeira do Estado, num cenário de cortes muito expressivos previstos na lista provisória publicada a 27 de Agosto", resume o Conservatório de Música de Sintra, em comunicado enviado para a Lusa.

Os professores das EAE decidiram assinalar o Dia Internacional da Música com iniciativas a desenvolver descentralizadamente em várias cidades do país onde existem estas escolas.

"Mesmo que se concretize o acréscimo de financiamento na ordem dos quatro milhões de euros, conforme foi anunciado pelo MEC, essa verba não dará, sequer, para abranger todos os alunos das modalidades curriculares (articulado e integrado)", disse a Federação Nacional de Professores (Fenprof), que vai estar no protesto agendado para Lagos, onde os professores da Academia de Música de Lagos se irão manifestar e realizar também um concerto.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.