sicnot

Perfil

Cultura

Roubada na Rua da Rosa a reprodução "Inferno" da exposição "ComingOut"

A reprodução da pintura "Inferno" do século XVI, inserida na exposição "ComingOut. E se o Museu saísse à rua?", foi roubada hoje de madrugada na Rua da Rosa, em Lisboa, confirmou o Museu de Arte Antiga.

Inaugurada a 29 de setembro, a exposição colocou 31 réplicas de grandes obras da coleção do MNAA em várias ruas das zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real. (Arquivo)

Inaugurada a 29 de setembro, a exposição colocou 31 réplicas de grandes obras da coleção do MNAA em várias ruas das zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real. (Arquivo)

DR

A exposição é da iniciativa do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), e reúne reproduções de alta qualidade - mas sem valor patrimonial - de 31 obras-primas do acervo da entidade afixadas no exterior de edifícios nas zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real.

Contactado pela agência Lusa, o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, disse que o desaparecimento da obra, reprodução do original pintado no século XVI por um pintor português desconhecido, "não é uma surpresa".

"Esta situação era previsível e também aconteceu em Londres, onde foi lançada uma iniciativa semelhante", apontou Filipe Pimentel, acrescentando que "não deixa de ser curioso e até cómico que tenha desaparecido o quadro do "Inferno" nas primeiras 48 horas da inauguração da mostra".

O museu sublinha que a reprodução desaparecida "não tem qualquer valor patrimonial, comercial ou material".

"ComingOut. E se o Museu saísse à rua?" segue o projeto desenvolvido em Londres, nos bairros de Convent Garden, Soho e Chinatown, pela National Gallery, denominado "The Grand Tour".

O diretor do MNAA sublinhou que a exposição tem tido um grande impacto nas ruas, com os passantes a fotografar os quadros, e também nas redes sociais, desde que foi divulgada, com milhares de visualizações e partilhas.

Filipe Pimentel acrescentou que o museu está a ponderar se vai ou não substituir a obra.

Sobre a segurança da exposição nas ruas, indicou que não foram implementadas medidas especiais, mas esclereceu que há lugares onde existem câmaras e que são sítios de passagem.

"Acreditamos que as pessoas vão acolher bem e estimar as obras expostas", disse.

Houve ainda, nestes dois dias do "ComingOut" do museu, uma tentativa de retirar a reprodução de "Salomé com a cabeça de São João Batista", pintado por Lucas Cranach, o Velho, em 1510-1515.

"Retrato do Rei D. Sebastião", pintado em 1571 por Cristóvão de Morais, "Senhora das Dores", de Quentin Metsys, de 1511, e "Virgem com o menino e santos", de Hans Holbein, o Velho, pintado em 1519, são algumas das reproduções questão expostas nas ruas daquelas zonas de Lisboa antiga.

Com este projeto, o museu - que detém um dos mais importantes espólios de arte portuguesa -- pretende divulgar o património artístico e histórico português ao público nacional e estrangeiro.

"ComingOut. E se o Museu saísse à rua?" foi preparado ao longo de vários meses e implicou o levantamento, por técnicos do MNAA e da Câmara Municipal de Lisboa (CML), dos imóveis das ruas.

A seleção de obras teve de respeitar as características e as dimensões das paredes disponíveis, num "extenso trabalho de identificação dos proprietários dos prédios, com uma carta enviada a todos eles", assinada pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e pelo diretor do MNAA, António Filipe Pimentel.

Ambas as entidades pediram, por este meio, autorização para afixar nos imóveis as reproduções das obras por um período de cerca de três meses.

De acordo com o MNAA, a exposição não teve custos para o museu porque resultou de uma parceria, com a reprodução das obras da HP Portugal, apoio da Ocyan e edição de um catálogo patrocinado pela Vodafone.

Lusa

  • Cerca de 100 mortos e dezenas de desaparecidos após sismo na Indonésia
    1:24
  • As camisolas de Natal da família real britânica

    Mundo

    O espírito natalício invadiu ontem o Museu Madame Tussauds, em Londres. Foram reveladas as novas figuras de cera da família real britânica - cada membro enverga uma camisola de espírito festivo, com cãezinhos "reais" e "gingerbreadmen" de gosto duvidoso.

  • Os dias na Terra estão a ficar mais longos

    Mundo

    Os dias estão a tornar-se mais longos, mas impercetivelmente, porque vão ser precisos 6,7 milhões de anos para aumentarem um minuto, segundo um estudo publicado quarta-feira pela Proceedings A da Royal Society britânica.

  • As novas rotas da TAP em 2017
    1:59

    Economia

    No próximo ano, a TAP vai passar a voar para o Canadá. Além de Toronto, a companhia aérea vai também abrir cinco novas rotas para a Europa e aumentar algumas frequências. Fique a conhecer quais são.

  • Com este vamos arrancar-lhe uma lagriminha!

    Mundo

    Nesta redação, não se vive só de notícias. Também gostamos de nos emocionar com o mundo virtual. Imbuídos pela quadra natalícia, decidimos partilhar este vídeo polaco consigo. O que é preciso para o emocionar? Um tema com uma mensagem simples e que nos faça lembrar que somos todos feitos de carne e osso. Um toque de humor. Um sentimento sazonal, mas nunca em excesso. Um cão [é preciso haver sempre um cão]. Um enredo e algum suspense que nos prenda ao écran. Algo que nos faça engolir em seco. Foi isto que fez um site de vendas online com um anúncio com o título: "Inglês para principiantes". Então? Atingimos o nosso objetivo? Com ou sem lágrima?

  • Leica: a marca lendária entre os fotógrafos
    5:54
    Futuro Hoje

    Futuro Hoje

    3ª FEIRA NO JORNAL DA NOITE

    A Leica, das famosas máquinas fotográficas, abriu na semana passada a primeira loja em Portugal. Grande parte da produção da marca alemã é feita em Lousado, em Vila Nova de Famalicão, há 43 anos.