sicnot

Perfil

Cultura

Escritor sueco Henning Mankell morreu aos 67 anos

O escritor sueco Henning Mankell, mais conhecido pelos seus romances policiais, morreu na noite de domingo para hoje, aos 67 anos, devido a um cancro, anunciou o seu editor em Estocolmo.

© Scanpix Sweden / Reuters

Henning Mankell, que sofria de cancro há vários anos, "morreu tranquilamente esta noite em Goteborg", no sudoeste da Suécia, anunciou o seu editor sueco, Leopard, no seu 'site' na Internet.

A criação mais famosa de Mankell foi o detetive Kurt Wallander, cujas aventuras, passadas no sul da Suécia, foram transformadas numa série televisiva pela BBC, com o polícia a ser interpretado por Kenneth Branagh.

Mankel publicou mais de 40 obras, 12 das quais da série Wallander - várias estão editadas em Portugal -, e uma dezena para crianças. Vendeu mais de 40 milhões de exemplares em todo o mundo.

Era também dramaturgo e estava ligado ao Teatro Avenida, na capital moçambicana, Maputo, desde 1986, ocupando atualmente as funções de diretor artístico, segundo o 'site' do teatro.

Vivia metade do ano na Suécia e metade em Maputo "trabalhando com o teatro e escrevendo", indica a mesma fonte.

"A solidariedade com os fracos e os oprimidos atravessa a sua obra como um fio vermelho", escreveu a editora Leopard, que fundou em 2001 com o editor Dan Israel.

Henning Mankell era casado com Eva Bergman, de 70 anos, filha do cineasta Ingmar Bergman.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.