sicnot

Perfil

Cultura

Escritor sueco Henning Mankell morreu aos 67 anos

O escritor sueco Henning Mankell, mais conhecido pelos seus romances policiais, morreu na noite de domingo para hoje, aos 67 anos, devido a um cancro, anunciou o seu editor em Estocolmo.

© Scanpix Sweden / Reuters

Henning Mankell, que sofria de cancro há vários anos, "morreu tranquilamente esta noite em Goteborg", no sudoeste da Suécia, anunciou o seu editor sueco, Leopard, no seu 'site' na Internet.

A criação mais famosa de Mankell foi o detetive Kurt Wallander, cujas aventuras, passadas no sul da Suécia, foram transformadas numa série televisiva pela BBC, com o polícia a ser interpretado por Kenneth Branagh.

Mankel publicou mais de 40 obras, 12 das quais da série Wallander - várias estão editadas em Portugal -, e uma dezena para crianças. Vendeu mais de 40 milhões de exemplares em todo o mundo.

Era também dramaturgo e estava ligado ao Teatro Avenida, na capital moçambicana, Maputo, desde 1986, ocupando atualmente as funções de diretor artístico, segundo o 'site' do teatro.

Vivia metade do ano na Suécia e metade em Maputo "trabalhando com o teatro e escrevendo", indica a mesma fonte.

"A solidariedade com os fracos e os oprimidos atravessa a sua obra como um fio vermelho", escreveu a editora Leopard, que fundou em 2001 com o editor Dan Israel.

Henning Mankell era casado com Eva Bergman, de 70 anos, filha do cineasta Ingmar Bergman.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras