sicnot

Perfil

Cultura

"O Novo Alfaiate" de Carlos Gil encerrou o primeiro dia da ModaLisboa

A coleção para a primavera do próximo ano de Carlos Gil, apresentada em setembro durante a semana da moda de Milão, Itália, encerrou hoje, no Pátio da Galé o primeiro dia da 45.ª edição da ModaLisboa.

© Rafael Marchante / Reuters

'The New Sartorial' [O Novo Alfaiate], segundo Carlos Gil, "cruza fragmentos das distintas áreas, para criar uma silhueta que resulta do técnico e do artístico em que, tal como o pintor joga com as linhas para criar perspetiva, o novo alfaiate trabalha com o corte à procura de tridimensionalidade".

Para a próxima primavera, o criador do Fundão, aposta nas sobreposições, nos brilhos e em cores como o laranja, azuis e branco. Uma coleção "casual mas com muito glamour".

Na plateia estava, entre o outros, o ministro da Economia António Pires de Lima.

Antes, também no Pátio da Galé, foi apresentada a coleção de Luís Carvalho, que nesta edição deixou de fazer parte do LAB, a plataforma dedicada às micro-marcas.

Na coleção 'Flower Explosion" (Explosão Floral), "uma explosão de flores influencia as formas, cortes e motivos estampados do próximo verão", explicou o designer de moda.

Luís Carvalho apostou em peças com "tecidos e cortes fluidos". Do desfile, que abriu e fechou com a atriz Inês Castel-Branco, destacam-se os plissados, as transparências, o preto total e diversos tons de azul.

Hoje foram também apresentadas as coleções do coletivo Awaytomars e de Catarina Oliveira, ambos no âmbito da plataforma LAB, num desfile conjunto nos Paços do Concelho.

O trabalho de Awaytomars que foi visto hoje na passerelle, resultou do trabalho de 30 pessoas, a maioria das quais participaram através de uma plataforma online na qual "qualquer pessoa pode intervir", mas que é controlada por Alfredo Orobio e Carlo Vanetini.

Segundo Alfredo Orobio "a ideia não é ser uma marca de moda", mas sim "possibilitar que todos experimentem o design".

Apesar de se terem apresentado pela primeira vez na ModaLisboa na estação passada, em março, a plataforma só está "a trabalhar em pleno há dois meses".

"No próximo desfile [em março de 2016] a participação dos outros será mais visível", disse Alfredo Orobio.

Os interessados em participar na próxima coleção da Awaytomars podem aceder à plataforma a partir de hoje e até 01 de dezembro e dar o seu contributo "desde a inspiração até à peça completa".

Já Catarina Oliveira apresentou a coleção "Savage Mind" (Mente Selvagem), na qual a designer de moda recorre "a transparências e a tecidos leves, numa referência à liberdade e à 'vitória' dos instintos sobre os limites impostos pela consciência". Os estampados, desenvolvidos pela artista Ana Lira, "assumem uma importância fundamental nesta coleção, ao representar transgressões às normas e aos limites autoimpostos".

O dia abriu no Pátio da Galé com o projeto Sangue Novo, destinado a jovens finalistas de cursos de Design de Moda ou que estejam a iniciar a sua marca.

Num desfile coletivo, foram apresentadas as propostas para a próxima primavera de Banda, Carolina Machado, Cristina Real, David Catalán, Inês Duvale, Patrick de Pádua, Rúben Damásio, Sara Santos e Tânia Nicole.

A 45.ª edição da ModaLisboa decorre até domingo.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.