sicnot

Perfil

Cultura

Maria Gadú protagoniza este domingo concerto no Funchal

A cantora e compositora brasileira Maria Gadú protagoniza, domingo, um concerto no Funchal, que será o único em Portugal este ano, integrado no programa da digressão que efetua desde junho para divulgar o seu último trabalho discográfico, 'Guelã'.

Felipe Dana

"Depois de adiar os concertos previstos em Lisboa (Campo Pequeno) e no Porto (Coliseu), que devem realizar-se em março de 2016, a artista vem propositadamente à Madeira, sendo este o único espetáculo que vai dar em Portugal este ano", disse à agência Lusa João Pedro Borges, responsável da produtora 1º Plano.

Segundo João Pedro Borges, a sala do concerto, no Centro de congressos da Madeira, no Funchal, foi preparada para receber 500 pessoas, estando ainda disponível cerca de uma centena de bilhetes.

"A artista está já em Lisboa, expetante para conhecer a Madeira, sendo esta a primeira vez que vem à região, e como este é o primeiro espetáculo e único em Portugal este ano, está a preparar um formato especial, um alinhamento com algumas mudanças em termos artísticos", adiantou.

O responsável pela organização também referiu que "foram feitas reservas e existem pessoas a vir propositadamente à Madeira para este concerto, dos Açores, Continente e Inglaterra", mencionando ser o caso de algumas residentes no território continental que, pelos espetáculos de Maria Gadú terem sido adiados, "optaram por vir à Madeira".

"Isto é uma mais-valia para eles, porque assistem ao concerto, a um evento cultural, e também conhecem a Madeira, o que é um dos objetivos da produtora", sublinhou.

Sobre os preços dos bilhetes [até hoje custam 30 euros e no dia do concerto 35 euros], João Pedro Borges argumenta que se trata de "uma artista de renome, que concorre para o seu 4º Grammy em 10 anos de carreira", sendo necessário ter em conta ainda o acréscimo de encargos neste tipo de produções provocados pelas "contingências de ser numa ilha".

O organizador realça que o custo é inferior a alguns concertos realizados a nível nacional e regional, podendo o público beneficiar de um voucher de 50 euros para uma loja de ótica.

Maria Gadú já esteve em palco com Caetano Veloso, interpretando a canção 'Leãozinho', foi nomeada para dois Grammy latinos e quatro dos seus seis discos atingiram a platina.

"Shimbalalê" é um dos seus êxitos musicais mais conhecidos e Maria Gadú está nomeada para a 16ª edição do Grammy Latino, que se realiza a 19 de novembro, em Las Vegas (Estados Unidos da América), disputando o prémio atribuído pela Academia Latina de Gravação, na categoria de música brasileira, com Maria Bethânia, Lenine, Ivan Lins, Seu Jorge, Jonas Sá, Banda do Mar, Humberto Gessinger, Pato Fu e Zeca Pagodinho.

No âmbito da sua digressão, a cantora dará concertos na Europa e África em outubro.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.