sicnot

Perfil

Cultura

Playboy deixa de publicar fotos de mulheres nuas

A revista Playboy, lançada em 1953 com a atriz Marilyn Monroe na capa, anunciou hoje que vai deixar de publicar fotografias de mulheres nuas e optar apenas pelas poses provocantes.

© Daniel Becerril / Reuters

A decisão foi tomada após uma reunião com o fundador da revista, Hugh Hefner, na qual se verificou que, com o desenvolvimento da indústria pornográfica, a revista, que chegou a vender 5,6 milhões de cópias em 1975, já não ultrapassa as 800 mil.

No entanto, o diretor da Playboy, Scott Flanders, avançou que a revista continuará a publicar fotografias de mulheres, mas apenas em poses provocantes.

A revista norte-americana pretende assim alargar o seu público-alvo, passando a dirigir-se também aos adolescentes, à faixa etária com 13 anos ou mais.

A Playboy, que foi a primeira a quebrar o tabu de publicar fotografias de mulheres nuas, já tinha removido, em 2014, todas as fotografias do seu site na internet.

Apesar de ser conhecida, principalmente, pela imagem da mulher, a revista publicou, ao longo dos anos, entrevistas com grandes figuras da história.

Foi na Playboy que Martin Luther King disse que "a América é hoje uma nação muito doente" e que o então futuro Presidente Jimmy Carter reconheceu ter desejado outras mulheres.

Pelas páginas da revista, com fotografias assinadas por nomes como Helmut Newton e Annie Leibovitz, passaram várias celebridades, desde as atrizes Kim Basinger, Sharon Stone ou Drew Barrymore até à cantora Madonna.

Lusa

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33

    Ataque em Barcelona

    O jornal espanhol El Pais divulgou hoje  as primeiras imagens da carrinha que matou 13 pessoas e feriu mais de 100 em Barcelona. O vídeo foi registado por  uma câmara de videovigilância de um museu nas Ramblas. Mostra pessoas a desviarem antes da passagem rápida da carrinha branca. Esta terá sido a parte final do percurso feito pelo veículo.

  • Castelo Branco aposta na cultura para preservar raízes e fomentar turismo
    5:26

    SIC 25 Anos

    Com perto de 200 mil habitantes, o distrito de Castelo Branco luta para criar projetos diferenciadores para atrair e ancorar a população. O desemprego tem vindo a baixar, numa região fortemente envelhecida. A capital do distrito aposta na cultura para preservar as raízes e fomentar o turismo, e a Universidade da Beira Interior tem cada vez mais alunos estrangeiros.