sicnot

Perfil

Cultura

Siza Vieira e José Cutileiro orgulhosos com Honoris Causa pela Universidade de Évora

O arquiteto Álvaro Siza Vieira e o embaixador José Cutileiro receberam hoje o doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Évora, manifestando orgulho e satisfação pela distinção outorgada pela academia alentejana.

Lusa

Lusa

NUNO VEIGA

"É uma grande honra", sobretudo por ser uma distinção atribuída pela "universidade da cidade onde trabalhei durante 25 anos", congratulou-se à agência Lusa o arquiteto Álvaro Siza Vieira, aludindo ao seu projeto do Bairro da Malagueira, em Évora

Este projeto, premiado a nível internacional, envolveu a construção de "1.200 casas", lembrou o arquiteto, sublinhando: "Foram 25 anos a trabalhar nisso. Acho que nunca fiz tantas casas em sítio nenhum".

Por isso, dada a ligação à cidade alentejana, este doutoramento "tem um sabor especial", admitiu Siza Vieira, após a cerimónia em que recebeu as insígnias doutorais.

Também o embaixador José Cutileiro disse à Lusa, no final da cerimónia no Colégio do Espírito Santo, principal edifício da UE, estar "muito grato" à academia.

"Sinto-me orgulhoso. Gostei muito que houvesse a intenção de me dar esta distinção e fiquei também contente porque estava ao lado do arquiteto Álvaro Siza Vieira", acrescentou.

No seu discurso na sessão solene, a reitora da UE, Ana Costa Freitas, considerou os dois novos doutores Honoris Causa como "duas personalidades relevantíssimas da sociedade portuguesa e com um indiscutível impacto internacional".

Ambos são "grandes embaixadores portugueses, um por via da sua carreira diplomática e embaixador de facto", o outro "por via do seu legado" na área da arquitetura, elogiou a reitora.

Contabilizando já os dois homenageados de hoje, a Universidade de Évora conta com um total de 35 doutores Honoris Causa.

A academia alentejana justificou a atribuição do título a Álvaro Siza Vieira pelo "seu mérito artístico e cultural, no contexto da arquitetura nacional e internacional".

Já o doutoramento Honoris Causa a José Cutileiro, pretende "prestigiar o antropólogo, diplomata, embaixador, alentejano, nascido em Évora e uma das figuras maiores da intelectualidade da segunda metade do século XX português".

Álvaro Joaquim de Melo Siza Vieira nasceu em Matosinhos, em 1933, e estudou Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1949 e 1955, tendo a sua primeira obra sido construída em 1954.

Quanto a José Cutileiro, nasceu em Évora, em 1934, e estudou Arquitetura e Medicina em Lisboa, diplomando-se em Antropologia Social e doutorando-se em Oxford (Inglaterra), em 1968.

Por convite de Mário Soares, em 1974, juntou-se ao serviço diplomático, sendo embaixador em Maputo e Pretória e desempenhando, ao longo dos anos, várias funções.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.