sicnot

Perfil

Cultura

Chapitô representa escolas de circo da Europa em sessão sobre educação inclusiva

O Chapitô usa as artes circenses na integração de jovens em situação de risco e vulnerabilidade, um trabalho que justifica agora a escolha para representar as escolas de circo da Europa numa sessão da Comissão Europeia sobre educação inclusiva.


A sessão, sobre a problemática da educação inclusiva, diálogo intercultural e cidadania ativa, tem lugar na próxima segunda-feira, dia 19 de outubro, em Bruxelas, e o Chapitô estará a representar as escolas de circo da Europa, a convite da Federação Europeia das Escolas de Circo (FEDEC).

Em declarações à agência Lusa, a presidente do Chapitô disse que esta é uma oportunidade não só para mostrar aos restantes países europeus o método de trabalho que o organismo tem desenvolvido, como também para mostrar a Portugal a importância da cultura na integração de jovens mais problemáticos.

"Em Portugal é uma coisa que não é reconhecida da mesma maneira como é em França ou noutros países mais desenvolvidos culturalmente, onde este tipo de intervenção é fulcral", apontou Teresa Ricou.

Na opinião da responsável, é importante o Chapitô ir para fora de Portugal para conseguir mais investimento e com isso encontrar mais e "melhores técnicos e recursos humanos" para responder ao crescente número de alunos.

De acordo com Teresa Ricou, o trabalho que é feito pelo Chapitô é único na Europa, um facto que justifica com a diferente condição social dos restantes países europeus.

"Portugal é um país pequeno, temos grandes dificuldades, a nossa economia não é a melhor e as oportunidades para a malta nova não são as mais aliciantes", apontou.

Defendeu, por isso, que tanto o Estado como as fundações têm que se mostrar disponíveis "para desenvolverem qualidade num trabalho que já está há 33 anos no mercado".

"Este trabalho é um modelo e este modelo integrado absolutamente funciona. Funciona enquanto economia social, enquanto expansão da cultura e reforço da cultura em meio aberto, enquanto formação artística, enquanto descoberta de talentos, enquanto estímulo à malta nova pela positiva, com um ativismo presente", sublinhou.

Teresa Ricou confidenciou que quer avançar para a criação de um ensino superior ao nível da escola do Chapitô, assim que "consiga encontrar empresários interessados em investir nisso".

Teresa Ricou não tem dúvidas em afirmar que o modelo de funcionamento do Chapitô funciona, mas lembrou que é preciso ter um "plantel de alto nível", com recursos humanos, formativos e criativos.

"Para isso é preciso outro tipo de investimento, que nós até agora não temos tido, temos trabalhado muito com a prata da casa", sublinhou.

A responsável não consegue precisar quantos jovens já passaram pelo Chapitô, mas sabe que todos os anos são entre 80 e 100 os que saem formados e que, seguramente, 60% dos que saem estão a trabalhar, seja em Portugal ou no estrangeiro.

Depois de Bruxelas, o Chapitô vai estar no dia 21 em Auch-Toulouse para atuar no CIRCA, "um dos maiores festivais de circo de França".

Antes, entre 05 e 12 de outubro, o Chapitô participou na Semana Internacional de Circo das Canárias.

Lusa

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.