sicnot

Perfil

Cultura

Chapitô representa escolas de circo da Europa em sessão sobre educação inclusiva

O Chapitô usa as artes circenses na integração de jovens em situação de risco e vulnerabilidade, um trabalho que justifica agora a escolha para representar as escolas de circo da Europa numa sessão da Comissão Europeia sobre educação inclusiva.


A sessão, sobre a problemática da educação inclusiva, diálogo intercultural e cidadania ativa, tem lugar na próxima segunda-feira, dia 19 de outubro, em Bruxelas, e o Chapitô estará a representar as escolas de circo da Europa, a convite da Federação Europeia das Escolas de Circo (FEDEC).

Em declarações à agência Lusa, a presidente do Chapitô disse que esta é uma oportunidade não só para mostrar aos restantes países europeus o método de trabalho que o organismo tem desenvolvido, como também para mostrar a Portugal a importância da cultura na integração de jovens mais problemáticos.

"Em Portugal é uma coisa que não é reconhecida da mesma maneira como é em França ou noutros países mais desenvolvidos culturalmente, onde este tipo de intervenção é fulcral", apontou Teresa Ricou.

Na opinião da responsável, é importante o Chapitô ir para fora de Portugal para conseguir mais investimento e com isso encontrar mais e "melhores técnicos e recursos humanos" para responder ao crescente número de alunos.

De acordo com Teresa Ricou, o trabalho que é feito pelo Chapitô é único na Europa, um facto que justifica com a diferente condição social dos restantes países europeus.

"Portugal é um país pequeno, temos grandes dificuldades, a nossa economia não é a melhor e as oportunidades para a malta nova não são as mais aliciantes", apontou.

Defendeu, por isso, que tanto o Estado como as fundações têm que se mostrar disponíveis "para desenvolverem qualidade num trabalho que já está há 33 anos no mercado".

"Este trabalho é um modelo e este modelo integrado absolutamente funciona. Funciona enquanto economia social, enquanto expansão da cultura e reforço da cultura em meio aberto, enquanto formação artística, enquanto descoberta de talentos, enquanto estímulo à malta nova pela positiva, com um ativismo presente", sublinhou.

Teresa Ricou confidenciou que quer avançar para a criação de um ensino superior ao nível da escola do Chapitô, assim que "consiga encontrar empresários interessados em investir nisso".

Teresa Ricou não tem dúvidas em afirmar que o modelo de funcionamento do Chapitô funciona, mas lembrou que é preciso ter um "plantel de alto nível", com recursos humanos, formativos e criativos.

"Para isso é preciso outro tipo de investimento, que nós até agora não temos tido, temos trabalhado muito com a prata da casa", sublinhou.

A responsável não consegue precisar quantos jovens já passaram pelo Chapitô, mas sabe que todos os anos são entre 80 e 100 os que saem formados e que, seguramente, 60% dos que saem estão a trabalhar, seja em Portugal ou no estrangeiro.

Depois de Bruxelas, o Chapitô vai estar no dia 21 em Auch-Toulouse para atuar no CIRCA, "um dos maiores festivais de circo de França".

Antes, entre 05 e 12 de outubro, o Chapitô participou na Semana Internacional de Circo das Canárias.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.