sicnot

Perfil

Cultura

37ª Edição do Portugal Fashion arranca em Lisboa

A 37ª edição do Portugal Fashion arranca hoje em Lisboa com propostas da dupla Storytailors, da estilista Carla Pontes, da marca Hibu e dos criadores Alves/Gonçalves para a primavera/verão 2016, numa celebração dos 20 anos da iniciativa.

© Hugo Correia / Reuters

Organizado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), o Portugal Fashion acolhe, entre hoje e domingo, desfiles de 19 criadores experientes, seis jovens designers, três marcas de jovens designers, três escolas de moda, oito marcas de vestuário e seis marcas de calçado.

Pelas 18:30, o Four Seasons Hotel Ritz Lisbon é palco do desfile da dupla Storytailors, que vai contar uma nova história do livro iniciado na coleção anterior, segundo informação da organização.

Sob o conceito "Diário de uma princesa em descoberta" -- que cruza a lenda das "Três mouras encantadas", a história de "Santa Joana Princesa", padroeira de Aveiro, e a epopeia de Luís de Camões "Os Lusíadas" --, os criadores apostam em silhuetas "marcadas pelos elementos ar e água, pela porcelana e a azulejaria e pelo casamento entre arte e ciência".

As cores escolhidas são o branco e o azul.

Os desfiles prosseguem às 21:30 no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, com a apresentação conjunta de Carla Pontes e da marca HIBU, ambos no âmbito da plataforma de novos talentos Bloom.

Carla Pontes aposta numa "coleção delicada, inspirada pela leveza das algas de correntes de rio", em que as peças "assumem detalhes refinados, conjugados com cortes em fio e costuras desportivas", com tons 'nude', cinza e azul-marinho.

Já a marca HIBU apresenta propostas de inspiração japonesa, que visam "desconstruir e reconstruir, através do envolvimento de elementos de mundos diferentes, para criar uma nova identidade", apostando no método da colagem e no amarelo-torrado e cor de vinho.

A encerrar o dia estará a dupla Alves/Gonçalves, também no Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

Apostando em tecidos estampados e brilhos, os criadores fomentam "uma feminilidade provocadora, ritmada pelos sons mais 'underground'" através da contraposição das matérias e da utilização de aberturas, criando uma "nudez semiescondida".

Depois de Lisboa, o evento segue para o Porto. A aposta na dispersão por vários espaços das duas cidades mantém-se e, no Porto, conservando o centro nevrálgico na Alfândega, os desfiles chegam pela primeira vez ao Palácio de Cristal, ao Silo Auto e ao Quartel de Serpa Pinto, havendo um regresso ao emblemático Coliseu do Porto - que marcou a história do Portugal Fashion - para todas as apresentações do dia 22.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),