sicnot

Perfil

Cultura

Festival Vodafone Mexefest com concertos em mais de 10 espaços de Lisboa

O festival Vodafone Mexefest, em Lisboa, com um cartaz de concertos concentrados nos dias 27 e 28, contará com mais três espaços, o Teatro Tivoli, o Tanque e a terceira sala do cinema São Jorge, anunciou hoje a organização.

O festival que obriga o espectador a criar roteiros e percursos de concertos, no eixo Avenida da Liberdade-Baixa, contará com artistas internacionais como Benjamin Clementine, Ariel Pink, Bombino, Patrick Watson ou Peaches, mas dá destaque também à música portuguesa.

Entre os artistas portugueses convocados estão o guitarrista Tó Trips, os They're Heading West, os Best Youth, os Beautify Junkyards, os Flamingos, a cantora Márcia, o músico Benjamim, os Glockenwise e a artista Da Chick.

Há ainda vários nomes do Brasil, com os Do Amor, o músico Castello Branco, as artistas Mahmundi e Karol Conka e a dupla de DJ Tropkillaz.

Para esta edição, o festival volta a ter o Teatro Tivoli - que era um dos pontos centrais do Mexefest -, aos quais se junta pela primeira vez o Tanque, nova sala de espectáculos na antiga piscina do Atneu Comercial.

A terceira sala do cinema São Jorge também estará este ano ocupada, com concertos que acontecerão às escuras, "apelando a uma experiência puramente sensorial". Os artistas desta sala ainda não foram anunciados.

O Mexefest passará também pelo Coliseu dos Recreios, pelo Palácio Foz, a Igreja de São Luís dos Franceses e pela Sociedade Portuguesa de Geografia, palcos de edições anteriores.

O festival contará ainda com um mercado de música independente, que reunirá mais de duas dezenas de editoras portuguesas independentes no Picadeiro Real, do Museu Nacional de História Natural e da Ciência.

O bilhete para o Mexefest é um passe único que deverá ser trocado por uma pulseira, que dá acesso a todos os concertos, mediante a capacidade da sala.

Toda a programação pode ser consultada em www.vodafonemexefest.com.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite