sicnot

Perfil

Cultura

Realizador italiano apresenta hoje a longa-metragem "Minha mãe"

O realizador italiano Nanni Moretti apresenta hoje em Portugal a longa-metragem "Minha mãe", uma ficção sobre vida e morte, com um travo autobiográfico, mas para o autor, o cinema não ajuda a fazer lutos.

Nanni Moretti

Nanni Moretti

Lionel Cironneau

"Minha mãe", que só chegará às salas de cinema no dia 26, é apresentado hoje, em três sessões, em Lisboa e no Estoril, na abertura do Lisbon & Estoril Film Festival, no qual Nanni Moretti é um dos realizadores convidados.

O filme "tem um experiência realmente vivida", afirmou o realizador, num encontro com jornalistas, hoje à tarde no Estoril, referindo-se à morte da mãe, quando fazia "Habemus Papam". "Mas se pergunta se o filme ajudou a fazer o luto, a resposta é não. Para mim o cinema não é uma autoterapia".

"Faço filmes com as minhas obsessões, tiques e manias, mas não muda nada", afirmou.

Tal como acontece em produções anteriores, Nanni Moretti também participa como ator em "Minha mãe", mas projeta algumas das suas característcias noutra personagem - uma mulher - que na história interpreta o papel de irmã. Margherita é realizadora, prepara um novo filme e ao mesmo tempo lida, juntamente com o irmão, com a morte iminente da mãe.

"Achei muito interessante fazer este curto-circuito, dar-lhe [à personagem Margherita] características de um homem. (...) Percebi que tinha mais distância e lucidez para contar uma história se escolhesse personagens femininas", explicou.

"Minha mãe" esteve em competição no festival de Cinema de Cannes, onde recebeu o prémio ecuménico. Nanni Moretti volta a filmar um drama, à semelhança de "O quarto do filho", depois de ter feito filmes mais marcados pelo contexto político e social, como "O caimão" e "Habemus Papam".

No novo filme, Nanni Moretti faz ainda uma referência ao cinema do realizador alemão Wim Wenders - em particular ao filme "As asas do desejo". Wim Wenders é outro dos convidados do LEFF e momentos antes também tinha estado à conversa com os jornalistas portugueses.

"Ele é um grande mestre dos realizadores da minha geração. Experimenta sempre, nunca está satisfeito com o seu trabalho, vai sempre além disso. E faz uma coisa importante que é alternar o que é ficção com o que é documentário", disse.

O LEFF, que começou hoje, prolonga-se até ao próximo dia 15 em vários espaços de Lisboa e do Estoril.

Lusa

  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08
  • Reveladas escutas telefónicas entre Sócrates e Ricardo Salgado
    2:39

    Operação Marquês

    Após ser detido em 2014, Ricardo Salgado recebeu uma chamada de José Sócrates a dar o seu apoio. Nas escutas é possível perceber que o antigo primeiro-ministro fala de admiração pelo ex-banqueiro, depois de Sócrates ter garantido, na semana passada na RTP, que a relação com Ricardo Salgado era apenas institucional. Noutra conversa de Sócrates, desta vez com o advogado Daniel Proença de Carvalho, o ex-primeiro-ministro criticou Marcelo Rebelo de Sousa, quando este ainda era comentador e tinha comentado a queda do BES.