sicnot

Perfil

Cultura

Caetano Veloso não volta a atuar em Israel devido à "opressão" aos palestinianos

O cantautor Caetano Veloso afirmou que não voltará a atuar em Israel pela "opressão" deste país sobre os palestinianos, pelo que foi criticado pela comunidade judia no Brasil.

© Denis Balibouse / Reuters

Num artigo intitulado "Visitar Israel para não voltar mais a Israel", publicado hoje no jornal Folha de S. Paulo, o autor de "Leãozinho" passa em revista a viajem que efetuou, na companhia de Gilberto Gil, a Israel, em julho último, no âmbito de uma digressão artística.

Caetano Veloso afirma que visitou várias vezes Israel desde a década de 1980, que gosta das paisagens do país e que sente Telavive como "estar em casa".

Um lugar, afirma, de que tem saudade "quase como da Bahia".

"Mas que nunca voltarei lá", garante o músico.

Sobre a capital israelita, afirma que após ter chegado, vindo da Europa, "a sensação de 'estar em casa' foi mais forte e comovente do que nunca".

"Agora que se esboça uma terceira intifada, constato de longe que a paz que julgava existir em Telavive -- que começava sendo a paz que eu não quero -- era, como sem embargo soube, todo o tempo, frágil, superficial e ilusória", argumenta.

A Confederação Israelita do Brasil lamentou "profundamente" o testemunho do músico de 73 anos, e considerou que o cantautor toma partido e ignora as "incitações ao terrorismo" contra os judeus que são proferidas pelos palestinianos, noticia a Efe.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43