sicnot

Perfil

Cultura

Foral original de Arcos de Valdevez encontrado 500 anos depois

O foral original concedido pelo rei Manuel I ao concelho de Arcos de Valdevez em 1515, foi encontrado, 500 anos depois, na Fundação Casa de Bragança e corresponde a um dos três originais produzidos na época.

Em declarações hoje à agência Lusa, o diretor da Casa das Artes, Nuno Soares, explicou que se trata do exemplar entregue pelo monarca ao concelho, "cuja existência era, até agora desconhecida".

"Há cerca de um ano fomos alterados pelo investigador António Matos Reis para a existência do documento original, depositado na Fundação Casa de Bragança, o que viemos a confirmar", explicou.

Segundo Nuno Soares o foral, com 84 páginas, foi "um dos muitos documentos e publicações que o rei Manuel II, muito dedicado às causas culturais, conseguiu recuperar e depositar no seu fundo na Casa de Bragança".

"Comprámos à Fundação Casa de Bragança uma cópia em alta resolução, que nos permitiu ter acesso a um documento de grande vigor científico e de enorme interesse para a história do concelho", frisou. "Ficamos a conhecer a divisão administrativa do concelho naquela época, das freguesias e até dos lugares que o compunham", disse, adiantando que "a leitura daquele foral permitiu ainda saber que, apesar do foral ter sido concedido em 1515 só foi entregue ao concelho em novembro de 2016".

A cópia do foral, agora adquirida pela autarquia integra a obra "Arcos de Valdevez: a terra e o foral manuelino - texto e contextos". Da autoria de Paula Pinto Costa e António Matos Reis, tem mais de 300 páginas, foi apresentada publicamente no final do mês passado no âmbito das comemorações dos 500 anos do Foral de Valdevez.

Nuno Soares adiantou que "o livro está disponível para consulta na biblioteca municipal e vai ser distribuído pelas escolas do concelho, e por instituições do distrito".

Em 2016, é intenção da autarquia "expor uma reprodução do documento no arquivo municipal para dar a conhecer à população um documento até agora desconhecido".

Para o presidente da Câmara Municipal, João Manuel Esteves, citado num comunicado hoje enviado pelo município, trata-se de um facto de "grande importância e simbolismo para todos os arcuenses, que veem assim recuperada uma parte essencial da sua memória histórica".

"É um documento essencial para a compreensão do passado arcuense e uma viagem pela nossa História e dos nossos antepassados".

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.