sicnot

Perfil

Cultura

"Jardim zoológico de cristal" vai subir ao palco do Teatro São Luiz

A peça "Jardim zoológico de cristal", de Tennessee Williams, vai estar no Teatro S. Luiz, em Lisboa, a partir de quarta-feira até dia 22, numa encenação de Sandra Faleiro, que destaca a atualidade do drama vindo da Grande Depressão.

teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=556

teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=556

A encenadora, em declarações à Lusa, disse que trabalhou a peça na estética na década de 1930, nos Estados Unidos, num período de depressão económica, mas realçou que a peça "é muito atual".

"Estamos numa época de grande depressão. Não há esperança e temos medo do amanhã, tal como as personagens", disse Faleiro.

"A peça é autobiográfica", defendeu a encenadora, que afirmou ter "feito todo um trabalho arqueológico sobre a ambiência da época".

"Todas as personagens estão com uma espada sobre a cabeça, tal como nós nos sentimos atualmente", disse a encenadora que referiu existir na peça "um certo ambiente claustrofóbico".

Uma das áreas de investigação que a encenadora explorou foi o "ambiente sonoro da época".

Referindo-se à iluminação, afirmou que "não é realista". "De acordo com a atmosfera de memória, o palco está a meia-luz. Focos de luz são apontados a áreas escolhidas ou a atores, por vezes em oposição ao que será o centro mais evidente".

A trama dramática da peça gira em torno da personagem de Tom Wingfield, poeta e narrador, que revive os tempos da sua juventude e se refugia na bebida, no cinema e na literatura, para conseguir suportar o trabalho num armazém de sapatos, com o qual sustenta a mãe, Amanda, e a irmã, Laura. O pai há muito abandonou a casa, e a mãe desespera-se quanto ao futuro da filha, que é tímida, coxeia e que se refugia na coleção de pequenos animais de cristal - o jardim zoológico do título.

Amanda olha para o casamento de Laura como uma solução e convence o filho a apresentá-la a um colega, Jim O'Connor, que convida para jantar. Mas, como a mãe afirma ao longo da peça, há sempre muitas maneiras de tudo correr mal.

O elenco é constituído por Cucha Carvalheiro, Inês Pereira, João Vicente e Pedro Lacerda. A produção da peça é do S. Luiz, com a Causas Comuns, estrutura de produção teatral fundada em 2004, sob a direcção de Cristina Carvalhal.

Segundo comunicado do S. Luiz, "as equipas criativas e técnica [desta estrutura] são constituídas especificamente para cada espetáculo, [e] contam com alguns colaboradores regulares", procurando "reunir reputados criadores das mais diversas áreas, com recém-formados que iniciam o seu percurso artístico".

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.