sicnot

Perfil

Cultura

"Jardim zoológico de cristal" vai subir ao palco do Teatro São Luiz

A peça "Jardim zoológico de cristal", de Tennessee Williams, vai estar no Teatro S. Luiz, em Lisboa, a partir de quarta-feira até dia 22, numa encenação de Sandra Faleiro, que destaca a atualidade do drama vindo da Grande Depressão.

teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=556

teatrosaoluiz.pt/catalogo/detalhes_produto.php?id=556

A encenadora, em declarações à Lusa, disse que trabalhou a peça na estética na década de 1930, nos Estados Unidos, num período de depressão económica, mas realçou que a peça "é muito atual".

"Estamos numa época de grande depressão. Não há esperança e temos medo do amanhã, tal como as personagens", disse Faleiro.

"A peça é autobiográfica", defendeu a encenadora, que afirmou ter "feito todo um trabalho arqueológico sobre a ambiência da época".

"Todas as personagens estão com uma espada sobre a cabeça, tal como nós nos sentimos atualmente", disse a encenadora que referiu existir na peça "um certo ambiente claustrofóbico".

Uma das áreas de investigação que a encenadora explorou foi o "ambiente sonoro da época".

Referindo-se à iluminação, afirmou que "não é realista". "De acordo com a atmosfera de memória, o palco está a meia-luz. Focos de luz são apontados a áreas escolhidas ou a atores, por vezes em oposição ao que será o centro mais evidente".

A trama dramática da peça gira em torno da personagem de Tom Wingfield, poeta e narrador, que revive os tempos da sua juventude e se refugia na bebida, no cinema e na literatura, para conseguir suportar o trabalho num armazém de sapatos, com o qual sustenta a mãe, Amanda, e a irmã, Laura. O pai há muito abandonou a casa, e a mãe desespera-se quanto ao futuro da filha, que é tímida, coxeia e que se refugia na coleção de pequenos animais de cristal - o jardim zoológico do título.

Amanda olha para o casamento de Laura como uma solução e convence o filho a apresentá-la a um colega, Jim O'Connor, que convida para jantar. Mas, como a mãe afirma ao longo da peça, há sempre muitas maneiras de tudo correr mal.

O elenco é constituído por Cucha Carvalheiro, Inês Pereira, João Vicente e Pedro Lacerda. A produção da peça é do S. Luiz, com a Causas Comuns, estrutura de produção teatral fundada em 2004, sob a direcção de Cristina Carvalhal.

Segundo comunicado do S. Luiz, "as equipas criativas e técnica [desta estrutura] são constituídas especificamente para cada espetáculo, [e] contam com alguns colaboradores regulares", procurando "reunir reputados criadores das mais diversas áreas, com recém-formados que iniciam o seu percurso artístico".

Lusa

  • Atentado "falhado" em Nova Iorque
    1:43

    Mundo

    Uma explosão numa das zonas mais movimentadas de Manhattan fez quatro feridos, esta segunda-feira. Entre eles está o homem que transportava o engenho e que foi entretanto detido.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.

  • 10 Minutos com Leonor Beleza
    10:27

    10 Minutos

    A nossa convidada desta segunda-feira ainda é conhecida por ter sido ministra da Saúde e pelo seu trabalho à frente da Fundação Champalimaud. Mas desta vez vamos falar com Leonor Beleza sobre os 40 anos da revisão do Código Civil, em que esteve envolvida.

    Entrevista completa