sicnot

Perfil

Cultura

Exposição no Museu Berardo acaba com distância entre espectador, arte e artista

Uma exposição do colombiano Nicolás Paris, que vai ser inaugurada a 18 de novembro no Museu Berardo, em Lisboa, procura aproximar o espectador, a arte e o artista, desafiando as convenções para gerar algo novo.

pt.museuberardo.pt/museu

pt.museuberardo.pt/museu

"Quatro variações à volta de nada ou falar do que não tem nome" é o título desta exposição com curadoria de Filipa Oliveira que inaugura às 19:00 com a presença do artista.

O trabalho de Nicolás Paris, nascido em Bogotá, na Colômbia, em 1977, é, segundo o Museu Berardo, "uma tentativa de resistência poética a convenções, regras e crenças com o intuito de descobrir novas possibilidades de olhar e de experienciar os lugares".

Esta exposição, que funciona em grande proximidade com o serviço educativo, é entendida como um processo, num conjunto de intervenções artísticas em que o espetador decide o que quer aprender e onde se experimentam novas formas de estar.

"Na obra de Paris, a distância entre espetador, arte e artista é abolida e o espaço da arte, o museu, converte-se numa num lugar de experimentação instável e inesperada. E a arte é o que acontece entre todos", acrescenta um texto sobre a nova exposição.

O museu converte-se uma ferramenta para fomentar a troca e para promover diferentes possibilidades de construir novos modos de conhecimento e entendimento.

Quatro variações, quatro salas, quatro conceitos: ferramenta, método, ideia e sistema são os eixos estruturantes do pensamento e do fazer do artista Nicolás Paris.

Esta exposição, que ficará patente até 06 de março de 2016, apresenta-se como investigação com ênfase nos processos de difusão mais do que nos processos de produção da arte, e um dos seus desígnios é pensar na arte como um intercâmbio de reflexões.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.