sicnot

Perfil

Cultura

Exposição no Museu Berardo acaba com distância entre espectador, arte e artista

Uma exposição do colombiano Nicolás Paris, que vai ser inaugurada a 18 de novembro no Museu Berardo, em Lisboa, procura aproximar o espectador, a arte e o artista, desafiando as convenções para gerar algo novo.

pt.museuberardo.pt/museu

pt.museuberardo.pt/museu

"Quatro variações à volta de nada ou falar do que não tem nome" é o título desta exposição com curadoria de Filipa Oliveira que inaugura às 19:00 com a presença do artista.

O trabalho de Nicolás Paris, nascido em Bogotá, na Colômbia, em 1977, é, segundo o Museu Berardo, "uma tentativa de resistência poética a convenções, regras e crenças com o intuito de descobrir novas possibilidades de olhar e de experienciar os lugares".

Esta exposição, que funciona em grande proximidade com o serviço educativo, é entendida como um processo, num conjunto de intervenções artísticas em que o espetador decide o que quer aprender e onde se experimentam novas formas de estar.

"Na obra de Paris, a distância entre espetador, arte e artista é abolida e o espaço da arte, o museu, converte-se numa num lugar de experimentação instável e inesperada. E a arte é o que acontece entre todos", acrescenta um texto sobre a nova exposição.

O museu converte-se uma ferramenta para fomentar a troca e para promover diferentes possibilidades de construir novos modos de conhecimento e entendimento.

Quatro variações, quatro salas, quatro conceitos: ferramenta, método, ideia e sistema são os eixos estruturantes do pensamento e do fazer do artista Nicolás Paris.

Esta exposição, que ficará patente até 06 de março de 2016, apresenta-se como investigação com ênfase nos processos de difusão mais do que nos processos de produção da arte, e um dos seus desígnios é pensar na arte como um intercâmbio de reflexões.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.