sicnot

Perfil

Cultura

Teatro da Rainha estreia "Dramatículos" de Samuel Beckett na próxima semana

Um trio amoroso na antecâmara da morte, um cego e um surdo entre despojos de guerra e um suicida, que encomenda um levantamento biográfico, marcam o espetáculo "Dramatículos", que o Teatro da Rainha estreia no dia 26.

teatro-da-rainha.com

teatro-da-rainha.com

"Em [Samuel] Beckett não se morre, vai-se morrendo", sustenta Fernando Mora Ramos, diretor artístico e encenador do Teatro da Rainha, companhia que, entre o dia 26 de novembro e 05 de dezembro, leva à cena três dos dramatículos em que o autor trata com "extrema concisão e máxima extensão" o legado existencial das personagens centrais.

A escolha da companhia das Caldas da Rainha para a próxima estreia recai em "Comédia", peça em que um marido infiel, a mulher e a amante se encontram, fechados numa urna, "a fazer um balanço das suas vidas", pressionados por "um holofote cuja luz os pressiona, quase obrigando a vomitar as reflexões sobre as vidas e o relacionamento da tripla pequeno-burguesa", adianta o encenador.

À "implosão sarcástica e definitiva" da visão burguesa do papel do homem nos anos 50, segue-se "Fragmento de Teatro 1", em que um amputado e um cego esboçam, entre despojos de guerra, "uma tentativa de entreajuda que acaba por se revelar um fiasco", revela Mora Ramos.

A terminar o espetáculo, o "Fragmento de Teatro 2" faz subir ao palco um par de burocratas que leem e comentam os testemunhos encomendados por um potencial suicida a uma empresa, para fundamentar "a decisão de se suicidar ou não".

São três peças em que o sarcasmo de Beckett "vai ao osso", pondo o espetador a pensar "na realidade pura e crua" de quem, às portas da morte, faz uma retrospetiva de vida, adianta o responsável da companhia.

Os "Dramatículos", traduzidos por Isabel Lopes e encenados por Fernando Mora Ramos, têm a particularidade de contar com cenografia de Nuno Carinhas, diretor do Teatro Nacional de S. João, no Porto, e da artista plástica Ana Vaz. A iluminação é de Jorge Ribeiro e a música, de Carlos Alberto Augusto.

Interpretada por Isabel Lopes, Raquel Monteiro, Fernando Mora Ramos, Carlos Borges, José Carlos Faria e Paulo Calatré, os "Dramatículos" de Beckett estreiam-se no dia 26, na Sala Estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, onde estará em cena até ao dia 28, voltando ao palco da cidade, nos dias 03, 04 e 05 de dezembro.

O ciclo Beckett, pelo Teatro da Rainha, deverá ter continuidade em 2016, com "Dramatículos 2", dramatização das peças "Eu não", "Cadeira de embalar" e "Ato sem palavras 1".

O Teatro da Rainha é uma companhia profissional de teatro e centro formativo de artes dramática, com mais de 30 anos de atividade, que tem desenvolvido projetos nas Caldas da Rainha, Évora, Coimbra, Lisboa e Porto, com participações em festivais internacionais, quer na Europa, quer em África.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.