sicnot

Perfil

Cultura

Teatro da Rainha estreia "Dramatículos" de Samuel Beckett na próxima semana

Um trio amoroso na antecâmara da morte, um cego e um surdo entre despojos de guerra e um suicida, que encomenda um levantamento biográfico, marcam o espetáculo "Dramatículos", que o Teatro da Rainha estreia no dia 26.

teatro-da-rainha.com

teatro-da-rainha.com

"Em [Samuel] Beckett não se morre, vai-se morrendo", sustenta Fernando Mora Ramos, diretor artístico e encenador do Teatro da Rainha, companhia que, entre o dia 26 de novembro e 05 de dezembro, leva à cena três dos dramatículos em que o autor trata com "extrema concisão e máxima extensão" o legado existencial das personagens centrais.

A escolha da companhia das Caldas da Rainha para a próxima estreia recai em "Comédia", peça em que um marido infiel, a mulher e a amante se encontram, fechados numa urna, "a fazer um balanço das suas vidas", pressionados por "um holofote cuja luz os pressiona, quase obrigando a vomitar as reflexões sobre as vidas e o relacionamento da tripla pequeno-burguesa", adianta o encenador.

À "implosão sarcástica e definitiva" da visão burguesa do papel do homem nos anos 50, segue-se "Fragmento de Teatro 1", em que um amputado e um cego esboçam, entre despojos de guerra, "uma tentativa de entreajuda que acaba por se revelar um fiasco", revela Mora Ramos.

A terminar o espetáculo, o "Fragmento de Teatro 2" faz subir ao palco um par de burocratas que leem e comentam os testemunhos encomendados por um potencial suicida a uma empresa, para fundamentar "a decisão de se suicidar ou não".

São três peças em que o sarcasmo de Beckett "vai ao osso", pondo o espetador a pensar "na realidade pura e crua" de quem, às portas da morte, faz uma retrospetiva de vida, adianta o responsável da companhia.

Os "Dramatículos", traduzidos por Isabel Lopes e encenados por Fernando Mora Ramos, têm a particularidade de contar com cenografia de Nuno Carinhas, diretor do Teatro Nacional de S. João, no Porto, e da artista plástica Ana Vaz. A iluminação é de Jorge Ribeiro e a música, de Carlos Alberto Augusto.

Interpretada por Isabel Lopes, Raquel Monteiro, Fernando Mora Ramos, Carlos Borges, José Carlos Faria e Paulo Calatré, os "Dramatículos" de Beckett estreiam-se no dia 26, na Sala Estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, onde estará em cena até ao dia 28, voltando ao palco da cidade, nos dias 03, 04 e 05 de dezembro.

O ciclo Beckett, pelo Teatro da Rainha, deverá ter continuidade em 2016, com "Dramatículos 2", dramatização das peças "Eu não", "Cadeira de embalar" e "Ato sem palavras 1".

O Teatro da Rainha é uma companhia profissional de teatro e centro formativo de artes dramática, com mais de 30 anos de atividade, que tem desenvolvido projetos nas Caldas da Rainha, Évora, Coimbra, Lisboa e Porto, com participações em festivais internacionais, quer na Europa, quer em África.

Lusa

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16