sicnot

Perfil

Cultura

Teatro da Rainha estreia "Dramatículos" de Samuel Beckett na próxima semana

Um trio amoroso na antecâmara da morte, um cego e um surdo entre despojos de guerra e um suicida, que encomenda um levantamento biográfico, marcam o espetáculo "Dramatículos", que o Teatro da Rainha estreia no dia 26.

teatro-da-rainha.com

teatro-da-rainha.com

"Em [Samuel] Beckett não se morre, vai-se morrendo", sustenta Fernando Mora Ramos, diretor artístico e encenador do Teatro da Rainha, companhia que, entre o dia 26 de novembro e 05 de dezembro, leva à cena três dos dramatículos em que o autor trata com "extrema concisão e máxima extensão" o legado existencial das personagens centrais.

A escolha da companhia das Caldas da Rainha para a próxima estreia recai em "Comédia", peça em que um marido infiel, a mulher e a amante se encontram, fechados numa urna, "a fazer um balanço das suas vidas", pressionados por "um holofote cuja luz os pressiona, quase obrigando a vomitar as reflexões sobre as vidas e o relacionamento da tripla pequeno-burguesa", adianta o encenador.

À "implosão sarcástica e definitiva" da visão burguesa do papel do homem nos anos 50, segue-se "Fragmento de Teatro 1", em que um amputado e um cego esboçam, entre despojos de guerra, "uma tentativa de entreajuda que acaba por se revelar um fiasco", revela Mora Ramos.

A terminar o espetáculo, o "Fragmento de Teatro 2" faz subir ao palco um par de burocratas que leem e comentam os testemunhos encomendados por um potencial suicida a uma empresa, para fundamentar "a decisão de se suicidar ou não".

São três peças em que o sarcasmo de Beckett "vai ao osso", pondo o espetador a pensar "na realidade pura e crua" de quem, às portas da morte, faz uma retrospetiva de vida, adianta o responsável da companhia.

Os "Dramatículos", traduzidos por Isabel Lopes e encenados por Fernando Mora Ramos, têm a particularidade de contar com cenografia de Nuno Carinhas, diretor do Teatro Nacional de S. João, no Porto, e da artista plástica Ana Vaz. A iluminação é de Jorge Ribeiro e a música, de Carlos Alberto Augusto.

Interpretada por Isabel Lopes, Raquel Monteiro, Fernando Mora Ramos, Carlos Borges, José Carlos Faria e Paulo Calatré, os "Dramatículos" de Beckett estreiam-se no dia 26, na Sala Estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, onde estará em cena até ao dia 28, voltando ao palco da cidade, nos dias 03, 04 e 05 de dezembro.

O ciclo Beckett, pelo Teatro da Rainha, deverá ter continuidade em 2016, com "Dramatículos 2", dramatização das peças "Eu não", "Cadeira de embalar" e "Ato sem palavras 1".

O Teatro da Rainha é uma companhia profissional de teatro e centro formativo de artes dramática, com mais de 30 anos de atividade, que tem desenvolvido projetos nas Caldas da Rainha, Évora, Coimbra, Lisboa e Porto, com participações em festivais internacionais, quer na Europa, quer em África.

Lusa

  • CGD terá de reconhecer imparidades e prepara saída de 2 mil funcionários
    2:45

    Caso CGD

    O novo plano estratégico da Caixa está pronto e foi entregue há duas semanas ao Ministério das Finanças. A SIC sabe que está a ser preparada a saída de 2 mil trabalhadores e que o banco terá de reconhecer imparidades. O Expresso diz que a CGD vai fechar o ano com prejuízos que podem chegar aos 3 mil milhões de euros.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.