sicnot

Perfil

Cultura

Carta manuscrita assinada por Eça de Queiroz vai a leilão em Lisboa

Uma carta manuscrita e assinada pelo escritor Eça de Queiroz (1845-1900) vai ser apresentada em Lisboa, num leilão 'online', entre sábado e 26 de novembro, organizado pelo Palácio do Correio Velho.

A carta e um manuscrito original, de um fragmento de uma primeira fase do livro "Primo Basílio", ambos com base de licitação de 400 euros, fazem parte os 600 lotes do leilão da biblioteca do médico e cientista Lopo Cancella de Abreu, segundo a leiloeira.

A biblioteca, que agora vai a leilão, tem como principais núcleos temáticos livros sobre Direito e Legislação dos séculos XVI ao XIX, contendo as clássicas e principais obras dos grandes legisladores portugueses dos séculos XVII e XVIII.

Também reúne obras da literatura portuguesa, sobretudo com livros de Eça de Queiroz e algumas raras peças de memorabilia sobre o autor de "Os Maias", além de uma colecção de livros de arte portuguesa e estrangeira.

Médico e cientista português nascido na Guarda, em 1913, e falecido na Parede, em 1990, Cancella de Abreu foi doutorado em Medicina pela Universidade de Lisboa, tendo-se depois especializado em pneumotisiologia em Roma.

Considerado internacionalmente como um grande especialista em tuberculose, fundou a Clínica Hélio - Marítima, na Parede, foi deputado à Assembleia Nacional e Ministro da Saúde e Assistência no primeiro governo de Marcello Caetano, de 1968 a 1970.

Em 1970, foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e foi-lhe conferido o grau de comendador em 1984.

A exposição dos livros vai estar patente ao público no Palácio do Correio Velho, em Lisboa, na sexta-feira, das 10:00 às 13:30, e das 14:30 às 19:00, repetindo-se nos dias 23, 24, 25 e 26, no mesmo horário, para o público manusear e consultar os livros desta biblioteca.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite