sicnot

Perfil

Cultura

"Prima donna" de Rufus Wainwright estreia-se em Lisboa na próxima sexta-feira

O concerto visual sinfónico "Prima donna", de Rufus Wainwright, a partir da sua ópera homónima, estreia-se na sexta-feira, em Lisboa, na Fundação Gulbenkian, com Joana Carneiro à frente da Orquestra Gulbenkian.

gulbenkian.pt

gulbenkian.pt

O enredo dramático inspira-se na soprano Maria Callas (1923-1977), apontada por Rufus Wainwright como "o padrão referencial de diva".

"Maria Callas é a diva, ela é o padrão referencial. Ela foi a maior estrela da ópera de todos os tempos. Não acho que tenha sido a maior cantora operática, terá sido sim, a maior atriz, isto do ponto de vista profissional. Mas há todo o contexto que a rodeou, uma vida glamorosa, as capas na imprensa cor-de-rosa, e ainda, claro, a sua vida trágica, que lhe deu um grande dramatismo", afirmou o compositor à Lusa.

Cantado em francês, o concerto visual sinfónico baseia-se numa série de entrevistas que Callas deu à BBC e, relativamente à ópera homónima, que se estreou em 2009, no Festival Internacional de Manchester, no Reino Unido, o compositor afirmou que retirou o barítono (a personagem Philippe), tendo-se focado na Diva, na Criada e no Jornalista.

Em Lisboa, o elenco é composto pelas sopranos Sarah Fox, no papel de "Regina", a diva, e Kathryn Gutrie, no papel de "Marie", a Criada, às quais se junta o tenor Antonio Figueroa, no papel de "André", o jornalista, e ainda os artistas visuais Francesco Vezzoli, realizador do filme que será exibido, em absoluta estreia, e a atriz Cindy Sherman, que surge no papel de uma diva em transformação, utilizando vários retratos de Maria Callas, alterados pelo realizador.

Sobre Cindy Sherman, Wainwright afirmou que "foi fantástico trabalhar com ela, que é ela própria uma diva, [e] sendo loura, afasta de imediato uma ligação a Callas".

Esta versão do concerto visual sinfónico foi já apresentada na acrópole de Atenas, mas com um filme mais curto, de cerca de 15 minutos, enquanto em Lisboa, se estreia a versão de 60 minutos. O filme foi uma encomenda da Fundação Calouste Gulbenkian, do Festival de Atenas e da Los Angeles Opera, nos Estados Unidos.

Cindy Sherman surge a acompanhar a ária final do concerto, "Les feux d'artifice", interpretada pela protagonista Régine.

"O filme é exibido na primeira parte do concerto visual sinfónico e retoma a estrutura original da ópera 'La prima donna, enquanto, que, na segunda parte, Rufus Wainwright sobe ao palco para apresentar recriações orquestrais de algumas das suas músicas mais conhecidas e alguns temas do reportório operático", segundo comunicado da Fundação.

Tendo sido esta a sua primeira ópera, Wainwright reconhece influências, mais claras de Giuseppe Verdi, o seu favorito, mas também de Giacomo Puccini e de Richard Strauss, e justificou: "Todas as primeiras obras de grandes compositores refletem influências de outros, vemos isso em Wagner, onde notamos nos primeiros trabalhos influências de 'Werther' [de Goethe] e de Mendelssohn".

As duas sessões de "Prima donna", na sexta-feira e no sábado, sempre às 21:00, estão já esgotadas, adiantou à Lusa fonte da Fundação, o que, para o compositor, "é maravilhoso".

Depois de Lisboa, este concerto visual sinfónico é apresentado no Festival de Hong-Kong, a 01 de março do próximo ano.

Entretanto, Rufus Wainwright trabalha já numa outra ópera sobre o imperador romano Adriano e a sua relação com o escravo Antínoo, uma encomenda da Canadian Opera Company, que será cantada em inglês, com citações em latim e grego, e que se estreará em Toronto, no Canadá, em 2018.

"Atualmente sinto-me confortável a escrever ópera em inglês, o que não aconteceu nesta primeira", disse o compositor à Lusa, referindo-se ao libreto em francês de "Prima Donna".

Lusa

  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares