sicnot

Perfil

Cultura

Pedro Costa, Miguel Gomes e Cunha Telles candidatos aos prémios Fénix

Os filmes "Cavalo dinheiro", de Pedro Costa, e "As mil e uma noites", de Miguel Gomes, e o cineasta António da Cunha Telles são os candidatos portugueses aos prémios Fénix do cinema ibero-americano, a atribuir hoje à noite, no México.

"As Mil e uma Noites", de Miguel Gomes, tem cinco nomeações para os prémios de Melhor Longa-Metragem de Ficção, Melhor Realização, Melhor Argumento, Melhor Desenho de Arte e Melhor Montagem.

"As Mil e uma Noites", de Miguel Gomes, tem cinco nomeações para os prémios de Melhor Longa-Metragem de Ficção, Melhor Realização, Melhor Argumento, Melhor Desenho de Arte e Melhor Montagem.

Os prémios Fénix cumprem este ano a segunda edição e têm como objetivo distinguir o cinema que se faz na América Latina, Portugal e Espanha.

"Cavalo dinheiro" soma cinco nomeações, para os prémios de Melhor Longa-Metragem de Ficção (Sociedade Ótica Técnica), Melhor Realização e Melhor Argumento (Pedro Costa), Melhor Ator (Ventura) e Melhor Montagem (João Dias).

"As mil e uma noites" tem igualmente cinco nomeações, para os prémios de Melhor Longa-Metragem de Ficção (O Som e a Fúria), Melhor Realização (Miguel Gomes), Melhor Argumento (Mariana Ricardo, Miguel Gomes e Telmo Churro), Melhor Desenho de Arte (Artur Pinheiro e Bruno Duarte) e Melhor Montagem (Miguel Gomes, Pedro Filipe Marques e Telmo Churro).

O nome do produtor e realizador António da Cunha Telles foi proposto pela Academia Portuguesa de Cinema à Academia Mexicana de Artes e Ciências Cinematográficas, que entrega os galardões, no passado mês de agosto, para o prémio Fénix de carreira.

A votação é assegurada pelas diversas academias ibero-americanas de cinema e o vencedor será anunciado hoje à noite, na Cidade do México.

António da Cunha Telles, que foi premiado em 2012 pela Academia Portuguesa de Cinema, precisamente com um prémio de carreira, é considerado, aos 80 anos, umas das mais importantes figuras do cinema português, sobretudo como produtor.

Nascido na Madeira, a 26 de fevereiro de 1935, trocou o curso de Medicina pelo cinema, prosseguindo os estudos nesta área em Paris.

Na década de 1960 imprimiu o nome em alguns dos mais importantes filmes da vaga do Cinema Novo, nomeadamente "Verdes Anos" (1963) e "Mudar de vida" (1966), ambos de Paulo Rocha, "Belarmino" (1964), de Fernando Lopes, e "Domingo à tarde" (1965), de António de Macedo.

Fez seis longas-metragens, entre elas "O cerco" (1970), "Pandora" (1993) e "Kiss Me" (2004), e, ainda, antes da revolução de Abril, fundou a distribuidora Animatógrafo.

Fez parte da administração do antigo Instituto Português do Cinema, foi presidente da Tóbis Portuguesa e pertence atualmente à direção da Associação de Produtores de Cinema.

Os filmes "Que hora ela volta?", da realizadora brasileira Anna Muylaert, "La isla minima", do espanhol Alberto Rodríguez, "El clube", do chileno Pablo Larraín, "O abraço da serpente", do colombiano Ciro Guerra, são outros candidatos aos prémios de melhor realização e de melhor longa-metragem de ficção.

Na área de não-ficção estão nomeados, entre outros, "Últimas conversas", o derradeiro filme do documentarista brasileiro Eduardo Coutinho, realizador de "Cabra marcado para morrer", morto no ano passado, "Jia Zhang-ke", de Walter Salles, o autor de "Central do Brasil", que desta vez se dedicou ao cineasta chinês, e "Allende, mi abuelo Allende", de Marcia Tambutti Allende, sobre o presidente Salvador Allende, o presidente do Governo de Unidade Popular, no Chile, morto no golpe de Estado de Pinochet que impôs a ditadura no país, em 1973.

Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.